Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Uma explicação do regicídio

Sou, por educação, temperamento e estudo, republicano, contudo, não nego a importância que a Monarquia teve, ao longo da História, para dar forma, consciência, continuidade e identidade ao Povo, que habita o território que, há quase oito séculos, mantém as mesmas fronteiras e dá pelo nome de Portugal.

 

Foi a Monarquia quem formou o nosso país, primeiro, segundo concepções ainda medievais, depois, segundo um modelo absoluto, por fim, liberal. Mas a Monarquia foi perdendo a capacidade de se identificar com o Povo e este deixou de se identificar com a Monarquia e o Rei. A partir de 1834, em pleno Liberalismo, lentamente, foi-se abrindo um terrível fosso entre os interesses das duas partes e, julgo, para isso contribuíram factores que estavam fora das mãos do Rei e um só factor que o Rei não soube utilizar ou não quis deixar de usar: o poder moderador. Este constava na capacidade de o Monarca poder dissolver o Parlamento quando tal lhe fosse solicitado ou as circunstâncias o determinassem. Ou seja, o Rei, não governando, comprometia-se com a governação. Governação que nunca foi totalmente honesta, independentemente dos partidos políticos existentes.

Foi por essa “porta” que “entraram” os republicanos com os ideias do governo do Povo para o Povo e este cada vez mais se sentiu desligado de qualquer laço com o Rei e a Monarquia. Mas, curioso, os monárquicos também já não se sentiam ligados ao Rei. Assim, quase no final da primeira década do século XX, em 1908, o Rei, a Casa Real e toda a Monarquia como instituição, vivendo em paz aparente, estavam moribundos. Faltava concretizar a morte. Faltava derrubar o Rei e a Monarquia. Tal objectivo foi alcançado em dois actos.

 

O regicídio foi a efectivação da “pena de morte” a que o Rei já há muito se havia condenado, por ser Monarca e por ser aquele Monarca. A morte do Príncipe Real foi um “dano colateral”. A aclamação de D. Manuel II foi uma situação inesperada; foi a continuação do estado moribundo da Monarquia.

A “acalmação” que se seguiu até Outubro de 1910 foi o tempo necessário para acabar de “matar” a Monarquia. Esta “morreu” com um golpe civil/militar quase sem oposição das forças tidas como leais ao regime. Para o Povo português já era tormentosa a manutenção da Monarquia. A República surgia no horizonte como uma esperança nova, um futuro novo, uma viragem radical. Já quase ninguém chorava o Rei morto no Terreiro do Paço e poucos foram os que choraram a partida da família real para o exílio.

Ficaram monárquicos para conspirar a partir dos erros da República. Foi isso que ficou e foi isso que a República lhes deu. Mas, por baixo do solo nacional, ficaram também as raízes putrefactas de onde sempre nasceram os maus políticos; aqueles que ajudaram à queda do Absolutismo, à queda do Liberalismo, à queda da 1.ª República e estão a trabalhar para estragar a Democracia que vivemos, nesta 2.ª República.

Parece difícil extrair essa tendência para a condenação de todos os regimes políticos em Portugal.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D