Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Tancos: Somos idiotas?

 

Confesso que a “novela” chamada Tancos me está a dar volta à cabeça! Tenho a sensação de que ou querem fazer de todos nós parvos ou a comunicação social é composta por uma cambada de inaptos intelectualmente ou anda aqui uma “revolução” feita à maneira do que é possível num tempo em que já se não sai para a rua aos tiros.

Vou tentar explicar o meu ponto de vista.

 

Querem que acreditemos que o director da Polícia Judiciária Militar (PJM) deu por encerrado o caso Tancos após uma encenação de devolução do material roubado?

 

Bom, ou estão a reduzir o senhor à condição de parvo ou querem fazer de nós parvos!

É evidente que a investigação deve ter continuado. E se continuou deve ter dado frutos. Que frutos? Pois é aqui que se põem duas hipóteses:

  1. Ou o roubo foi encomendado por alguém da área política para colocar em xeque o actual Governo, dando início à “revolução” que levaria (levará) à queda do mesmo, dando oportunidade de se formar um outro;
  2. Ou o roubo foi encomendado por alguém da área militar com igual finalidade.

 

No caso da primeira hipótese, “alguém” comprometido com o ou os mandantes terá tentado “desviar” a atenção do roubo do material para a centrar no “crime” praticado pela PJM de compactuar com um ladrão e encenar uma recepção de material deixado algures para ser recuperado. Deste modo a “revolução” pode continuar através desta nuvem de fumo, que vai colocar, na opinião pública, como “criminosos” tanto a PJM como os membros do Governo sabedores da prática levada a cabo pelos investigadores militares.

 

No caso da segunda hipótese, a PJM esteve sempre disposta a encobrir os “autores” militares do roubo e “obrigou” a Polícia Judiciária civil (PJ) e o Ministério Público a intervir para desmascarar o “crime” e a “revolução”.

 

Pois bem, se esta segunda hipótese tivesse pernas para andar nem haveria tantas fugas de informação nem os órgãos de comunicação social “embandeiravam em arco” como têm feito. Logo, parece-me, esta hipótese é completamente absurda, levando-me a aceitar como viável a primeira que enunciei.

 

Ora, assim começam a encaixar no puzzle determinadas “peças”:

Prisão imediata do director da PJM; declaração do major Brazão de completa admiração pelo seu anterior chefe; possibilidade do mesmo major, porque estava fora do país, ter tempo para, sem quebra do silêncio que lhe ia ser imposto, fazer declarações esclarecedoras e comprometedoras para o ministro – “morro” mas levo mais gente comigo; tentativa pública de descredibilizar o CEME, fazendo crer que havia obstaculizado a acção da PJ, impedindo-a de entrar no Campo Militar de Santa Margarida; orquestração condenatória da acção da PJM.

 

Alguém, em perfeito juízo, acredita que o director da PJM se contentava em reaver o material de guerra, dando cobertura a um ex-fuzileiro assustado com a dimensão e proporções que o seu acto assumira? Alguém acredita que um coronel do Exército se contentava em deixar impune um “pequeno” ladrão sem procurar deitar a mão ao “peixe graúdo”? Qual a razão de não se falar nas acções de investigação para chegar ao mandante do roubo? E aos auxiliares do roubo? Ou foi um só homem que carregou todo o material de guerra? E, acima de tudo, porque é que o “roubo” aconteceu no momento mais próprio para encontrar o Governo na sua situação mais frágil?

 

Nunca fui investigador de polícia nenhuma, mas tenho desenvolvido muitas investigações ou pesquisas no domínio da História e, desconfiado, desconfio das excessivas evidências.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D