Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Quarenta anos

 

Festejou-se o primeiro Governo constitucional, festejando Mário Soares. Foi bom e foi mau. A História não se altera, explica-se de modo a percebê-la.

Mário Soares formou um Governo minoritário e conseguiu governar. O sonho dele era, já então, apontar Portugal à Europa. Uma mudança estratégica, porque de estratégia se tratava, pois discutia-se a sobrevivência de Portugal. Era uma outra Europa e não esta e Portugal estava a atravessar um período de larguíssimas dificuldades no plano económico interno e externo. Não havia combustível para fazer funcionar o país. Os empréstimos eram galopantes no estrangeiro. Queria-se pôr de pé um qualquer sistema de ampla segurança social. Debatia-se, ainda, o "papão" da viragem para o comunismo. Havia medos e esperanças. Havia, sobretudo, fantasmas. Fantasmas com fundamento e fantasmas criados para fazer passar uma democracia sem prática. Não se procedeu à necessária "dessalarização" dos Portugueses. Ainda se pensava seguindo paradigmas definidos no tempo do fascismo, que foram usados como arma no jogo político. A mentalidade era a da "libertação fascista" sem saber nem conhecer a democracia e os seus limites e obrigações. Os direitos imperavam sobre tudo. Portugal tinha de andar para a frente com quem tinha cá dentro. Sem invocar nacionalismos, que cheiravam a fascismo, nem comunismos que se temiam.

Todos procurámos perceber os desafios, embora muitos os aproveitassem para "render" a seu favor.

Deixou-se de invocar a História, porque era fascismo, e cometeram-se erros graves nesta negação. Só tardiamente se percebeu o que era geopolítico e geoestratégico e, por conseguinte, imutável, porque condicionante.

Mário Soares foi o homem que marcou o compasso da "dança" política que se seguiria até à plena adesão à CEE, tão desejada. Não se salvaguardaram os interesses nacionais mais profundos e ancestrais; acreditou-se numa viragem sem se assegurar o rumo dessa viragem.

Muito está ainda por explicar e por compreender. Falam as recordações e não fala ainda a História, por isso falam ainda as paixões.

Limitamo-nos a festejar, na pessoa de um ancião, o passado. Ele já pertence à História, porque, com todos nós, a fez.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D