Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Os "espartilhos" do PS

 

Ontem escrevi sobre a social-democracia, hoje é a vez de me debruçar sobre o PS.

 

Os Partidos Comunista e Bloco de Esquerda, em dezenas de anos de democracia, já mostraram que, pela via eleitoral, nunca conseguirão uma maioria parlamentar, que lhes permita formar Governo. Isto, parece-me indiscutível. Todavia, o eleitorado nacional tem-se manifestado hesitante entre o PS e o PSD, facto que leva a uma leitura muito precisa em política: manifestando-se este último Partido como adepto de soluções económicas e sociais de direita, quer dizer que o eleitorado se balança entre um PS de “direita”, um PS de “esquerda” e a direita, teoricamente, moderada. Ou seja, a margem de manobra dos Portugueses está entre soluções pró-liberais e pró-esquerda. Assim, temos visto que sempre que a prática política e económica se inclina para a direita, de imediato o eleitorado, na vez seguinte, corrige a “deriva” e “vira” para a “esquerda”. Foi assim que nasceu a actual “geringonça”. E ela veio mostrar um caminho novo, uma solução nova e um novo destino do PS.

 

Se o PCP e o BE não conseguem eleitoralmente ser Governo, são, de certeza absoluta, o “sal da política” praticável pelo PS. Porquê?

Porque o único PS possível, depois de tantas experiências governativas, é aquele que nunca atinja maiorias absolutas; que, ideologicamente, sem receios, se afirme de esquerda, ou seja, afirme a sua prática política descolada de soluções de direita – e a direita começa, inequivocamente, no PSD; e, sem medos, convirja para políticas defendidas pelo PCP e pelo BE, sem perder a sua “personalidade” de Partido da direita do leque da esquerda.

 

Sei que é difícil esta manobra, mas é já só a única que resta ao PS para não ser engolido ideologicamente pelo PSD e pelo CDS, porque, depois de tudo o que já fez, falta-lhe deixar-se “abraçar” por estes Partidos e perder identidade. Não é por acaso que, dentro do PS, há uma grande resistência à solução encontrada por António Costa para formar Governo. Há medos que se têm de vencer.

 

O receio do entendimento com a esquerda é um papão vindo do tempo de Mário Soares, do tempo do PREC, do tempo do fascismo e não pode ser elemento travão de uma política de um PS de esquerda. Os laços que envolvem Portugal à União Europeia – do meu ponto de vista, infelizmente – são tão fortes que o receio de uma “viragem” para o comunismo não se justifica, mas, contudo, são tão frágeis que admitem uma viragem para soluções liberais de um capitalismo capaz de nos reduzir, socialmente, à condição de párias da Europa. E é aí que está o verdadeiro perigo. Assim, para termos um PS de esquerda temos de ter um PCP e um BE com força eleitoral onde o primeiro se possa escorar para fazer política nacional de esquerda e, no que for possível, independente.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D