Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

O Jogo de uma Vida

 

Ontem ganhámos — todos nós Portugueses — uma taça de um campeonato considerado desportivo, mas, efectivamente, muito profissional. Se foi importante? Foi muito importante! E foi, não por causa do futebol, mas por causa dos paralelismos que se podem fazer desse jogo, dessa final decisiva, com a Vida de Portugal e dos Portugueses. Deixem-me tentar ir por aí.

 

A primeira coisa que saltou de imediato à vista foi que quem regulava o jogo — o árbitro — tinha preferências, pois “via” em relação a uns o que não “via” em relação a outros. Mas os “rapazes” em campo souberam disciplinadamente — realço a disciplina — encarar essa adversidade e opor correcção à incorrecção dos jogadores franceses, que tinham um objectivo em mente: retirar a “peça” supostamente mais importante com que o treinador contava dentro das quatro linhas. Os jogadores de França almejaram o seu intento com a total impunidade do agressor. Nisto eu vejo todas as tentativas que na política actual se fazem para derrotar uma táctica de “jogo” de governação que se ensaia em Portugal.

O jogador supostamente mais importante deu mostras de uma grande combatividade e só saiu do campo quando a dor física o impossibilitou. E saiu a chorar — acredito nas lágrimas daquele profissional do futebol, porque eram lágrimas de raiva, de impotência, de revolta e tudo isso não se treina quando se anda aos chutos a uma bola, mas sim quando se tem entranhado o sentido de um dever a cumprir — porque os grandes combatentes também choram de raiva perante a adversidade total. Mas acreditou no espírito da equipa e, porque é o melhor, contra todas as regras, logo que lhe foi possível, à sua maneira, veio apoiar, incentivar, instruir os seus companheiros ainda em luta. Quantas vezes os nossos melhores não poderiam sair do conforto das suas comodidades e seguir na Vida o exemplo deste jogador?! Não jogar, mas, no mínimo, comprometerem-se com o desejo de uma vitória?

 

O jogo continuou, a pressão não diminuiu sobre os jogadores portugueses, mas eles, porque com os olhos postos na vitória, continuaram um combate que parecia desigual. E era-o! Mas prosseguiram e foram sabendo manobrar, em campo, em consonância com as indicações e alterações feitas pelo treinador. Foram-se adaptando às novas situações e cumprindo aquilo para que se haviam treinado. Meu Deus, o que nos falta é esta capacidade de acreditar que há um treinador na Vida, que nos chama a cumprir aquilo para que fomos treinados, e cumprir! Os jogadores cumpriram, lutando, exaustos, mas crentes. E o treinador lançou para o jogo todas as suas possibilidades, porque, homem experiente, sábio, crente na vitória, arriscou, em dado momento, o “ou tudo ou nada” e os “seus” jogadores acreditaram que ele tinha uma melhor visão do conjunto do que eles, que só estavam a cumprir uma tarefa. Quantas vezes nos falta liderança na Vida e, mais do que liderança, crença na visão de quem conduz com verdadeira vontade de “ganhar o jogo e a taça”, ou seja, de ganhar o bem-estar de todos?

Por fim, a sorte bafejou os jogadores. Uma falta cometida, se calhar, involuntariamente, mas cheia de vontade de evitar o pior, que não foi assinalada, e aquele momento de sorte do chuto certo no momento certo, quando toda a gente em campo estava exausta, dado por alguém menos cansado fez toda a diferença e deu a vitória aos jogadores portugueses. Quantos vezes, na Vida, aproveitando a distracção de quem coordena a legalidade do “jogo”, não se pode cometer uma “falta” para o bem colectivo e aproveitar os menos cansados, para alcançar a vitória?

 

Eu sei, a Vida não é um jogo! Mas a nossa postura na Vida pode ser a dos jogadores que anseiam a vitória, acreditando no esforço colectivo e no muito que conta o colectivo, desprezando o individualismo e tendo a humildade de aceitar que importante é a finalidade, quando esta visa o verdadeiro, evidente e visível bem-estar de todos!

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D