Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

03.05.20

Maio, entre 1 e 13


Luís Alves de Fraga

 

Não me quis pronunciar sobre as comemorações do 1.º de Maio, porque o fiz sobre o 25 de Abril, concordando com o formato adoptado.

 

Para mim, o 1.º de Maio teria sido comemorado com um encontro dos dois responsáveis pelas organizações sindicais (CGTP e UGT) numa das duas sedes ou noutro local isolado e, cada um, discursaria sobre o que quisesse discursar. E estava feito o Dia do Trabalhador..

Mas a CGTP quis fazer, em miniatura, o que faria em grande se não estivéssemos confinados.

 

Claro que isto abriu, de imediato, a questão do 13 de Maio, em Fátima!

Já sei, dizem-me os de sempre:

- Não é a mesma coisa!

Claro que não é! Todavia, abriu-se um grave precedente, já que até houve autocarros com gente que veio de fora para o 1.º de Maio.

 

Julgo que uma insensatez não se apaga com outra insensatez.

Deste modo, se eu fosse autoridade na Igreja Católica, não levaria para a frente qualquer tipo de festa no santuário, o mesmo é dizer, não seguiria o exemplo da CGTP.

Evidentemente que daria uma bofetada com luva em todas as autoridades e não exporia os crentes à possibilidade e à tentação de desrespeitar o que se deve respeitar.

 

Mas isto sou eu, que sou um impenitente opinador com a vaidade de ter sempre, ou quase, opinião sobre quase tudo, não é?

1 comentário

Comentar post