Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Fim ou começo?

 

Bruxelas rejeitou o Orçamento de Estado da Itália e o Governo italiano declarou que não o rectificava, porque o orçamento é para os Italianos e não para a União.

 

É sabido que sou, desde sempre, um eurocéptico porque acho impossível resolver em dezenas de anos as rivalidades culturais (entenda-se por cultura aquilo que define um grupo social) entre Estados europeus. Não se trata de uma questão de direitas, esquerdas ou ultra-direitas. Trata-se de esquecer interesses nacionais, que foram defendidos durante séculos, em nome de uma "unidade" artificialmente criada. O máximo que se podia fazer - um mercado comum - foi feito e devia ficar por aí.

 

Dizer que é um Governo de extrema-direita quem se opõe a Bruxelas é simplesmente resultado de uma conjuntura. Aliás, o avanço dos nacionalismos são a resposta à globalização e ao domínio do capital apátrida sobre as pessoas com pátria e com tradições, idiomas e aspirações.

 

A globalização facilitou a corrupção, o desejo de "estar na crista da onda" a qualquer preço; veio alterar valores e conceitos morais. É natural que haja uma reacção popular e quase é "natural" o aparecimento de oportunistas políticos que explorem o sentimento de desengano dos povos, chamando-os para projectos ditos nacionalistas, mas que, realmente vão, na aparência, ao encontro dos desejos nacionais, porque ser nacionalista não constitui crime nem pecado político. O nacionalismo como ideologia política, esse sim, é perigoso.

 

Assim, a negação da Itália tem de ser olhada de duas maneiras distintas: uma, como reacção a um embuste chamado União Europeia; outra, como manifestação perigosa de uma tomada do Poder por tendências fascistas.

 

Até onde os tecnocratas de Bruxelas são capazes de evitar o descalabro, recuando para os termos possíveis de juntar o que não se pode misturar, ou caiem nos mesmo erros da esquecida Sociedade das Nações e encaminham inocentemente a Europa, outra vez, para o abismo?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D