Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Falar verdade

 

Vamos lá falar verdade quanto à demora da nomeação de António Costa para a formação de Governo. Vamos falar verdade, porque é preciso.

 

Se o Partido Socialista aceitasse dar todo o apoio à coligação, tudo estaria resolvido há muito. E porquê? Porque, admitia-se, o PS seria um partido de afirmação de esquerda e de prática de direita! Essa é a verdade! Não interessa se é concordante com a continuidade de Portugal na OTAN nem na União Europeia! Isso são tretas! E são tretas, porque sendo o PCP e o Bloco de Esquerda adeptos dessas ideias de exclusão são, enquanto partidos políticos, plenamente aceites no parlamento europeu e elegem deputados para ele. Assim sendo, a EU aceita no seu seio os discordantes da sua existência. Então, o problema não é externo a Portugal; é, claramente, interno!

 

E o que determina a demora de Cavaco Silva? O receio atávico, primário, dos comunistas! Ele, o Presidente da República, tal como Jardim o foi na Madeira, e outros dinossauros ainda vivos, são a continuação da cultura salazarista, fascista que nos era inoculada desde a instrução primária até à conclusão dos estudos, prosseguindo, depois, pela vida fora através da propaganda nacionalista, que dava dos comunistas uma imagem antipatriótica por obedecerem a Moscovo — claro que Portugal, na sua História recente, nunca obedeceu a nenhuma outra capital estrangeira!... Oh que falta de visão! — e por serem anticlericais.

 

A cultura ou, se preferirem, a mentalidade fascista e salazarista ainda se reproduz em muitos lares, em muitas instituições, em muitas igrejas, em muitas escolas, porque é um “bichinho” que só se mostra em determinados momentos muito precisos. Mas que é insidioso, manhoso, cínico e cauteloso, usando de uma linguagem apelativa e, aparentemente, racional.

Não se trata de confundir conservadorismo com fascismo! Não, nada disso! Há conservadores que não são nem fascistas nem salazaristas, porque aceitam e apoiam a existência dos comunistas! Isso não os incomoda, porque vêem claramente visto que o PCP, embora afirmando-se contra adesões que considera erradas — e tem todo o direito de achar — entra e aceita o jogo democrático.

 

Volto à carga com a minha argumentação. O que não se fez em quarenta anos de democracia foi extirpar por completo a mentalidade fascista e salazarista da sociedade portuguesa. Não está morta, porque os partidos políticos assumiram como mais importante a luta pela sua afirmação entre os Portugueses, conquistando adeptos como quem conquista sócios para um clube de futebol, do que, todos unidos à volta da ideia democrática de Democracia (e a repetição é propositada), imporem uma cultura democrática que se iniciasse na escola e se prolongasse pela casa paterna, do mesmo modo que o fascismo o fez durante os mais de quarenta anos de existência em Portugal. Esse foi e é o erro nacional que nos desmerece da democracia.

Cavaco Silva é o símbolo vivo dessa continuidade fascista de uma mentalidade que não morreu e se prolonga, até, em gente bastante nova e que, não tendo vivido no Estado Novo, conviveu com o “Estado Novo” sobrevivente em casa, na Igreja e, até, nas escolas e empregos. Matar esse “monstro”, que toma conta da nossa maneira de estar na vida e de nela nos comportarmos, é uma tarefa não impossível, mas demorada e exigente de atenção.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D