Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

30.04.18

Coreias, China e EUA


Luís Alves de Fraga

 

Há dois meses o mundo temia uma guerra entre os EUA e a Coreia do Norte, tal era agressivo o discurso dos líderes de ambos os Estados. Agora, parece, a paz e a tranquilidade reinam entre os três chefes políticos da região: Coreia do Norte, Coreia do Sul e EUA.

Como se pode explicar tal mudança tão brusca? Não passou tudo de uma mera encenação onde pontificou o bluff?

 

Não sou especialista em relações internacionais, nem tenho desejo de o ser, mas, fui e continuo a ser um estudante de Geopolítica e vou buscar a esta disciplina das Ciências Políticas as bases para fazer certas afirmações.

 

A China pretende liderar, regionalmente, parte ou, se possível, a totalidade da navegação do Pacífico, porque vive de exportações. A Coreia do Norte, com o programa nuclear anunciado, veio gerar instabilidade na região e, de alguma forma, afrontar os EUA.

Ora, em Washington sabe-se muito bem que internamente se vive, em grande parte da sua economia vulgar (objectos e produtos de consumo corrente) de importações, muitas delas vindas do Oriente. Em face de uma ameaça norte-coreana, dois grande Estados exportadores e importadores – China e EUA – iam perder e ver corroído o seu comércio. Assim, terá sido fácil pelos canais diplomáticos não visíveis, fazer chegar a Pequim a indicação de que a China devia “meter na ordem” a Coreia do Norte, porque havia convergência de interesses.

 

E o que terá levado o irrequieto líder norte-coreano a aceitar tão prontamente a “imposição” chinesa? Julgo, a ameaça de não auxílio por parte de Pequim em caso de conflito aberto ou disfarçado com os EUA. Todavia, há que levar em conta que estamos perante dois Estados separados e que, se unidos, ganharão grande relevo regional: a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. Só esse facto é determinante para os líderes de ambos os Estados estarem interessados numa paz e numa união, mas, pondo em causa uma das lideranças, assim, antagonicamente, a paz passa a ser um absurdo.

 

Desta maneira, posso – se calhar, erradamente – concluir que o presente apaziguamento norte-coreano é só aparente e temporário, porque a península coreana, vai continuar a ser um polo de conflito no Oriente. A modificação só se operará quando, na Coreia do Norte, houver um golpe militar ou popular com apoio militar capaz de fazer mudar o regime político que por lá impera.

Creio que tal não acontecerá nos cinco ou dez anos mais próximos, porque só uma mudança na China arrastará a uma mudança na Coreia do Norte. No entanto, uma outra pergunta se levanta:
- E qual o papel do Japão no meio disso tudo?
Bom, esta pergunta terá resposta um dia destes, se voltar ao assunto. É que a "coisa", vista sob esse ângulo, complica-se muito!

 

1 comentário

Comentar post