Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

DESEMPREGO, FLAGELO E CONSEQUÊNCIA

 

O desemprego é uma consequência da entrada de uma economia em recessão. Quando
a economia pára de crescer e regride um dos primeiros flagelos sociais que se
verifica é o desemprego. Atrás dele vêm todos os restantes: fome, instabilidade
social e agravamento do estado de saúde colectivo. E como se combate o
desemprego? Só há uma receita: investimento de capital na economia de modo a
gerar-se uma espiral de procura de bens de consumo a qual, por seu turno, induz
novo alento económico.

 

Há quase cinco décadas havia em Portugal uma crise cíclica que explicava
muito bem este fenómeno de variação económica: o consumo de ovos! É verdade, o
consumo de ovos. Conta-se em poucas palavras.

Tinham-se tornado vulgares, entre nós, os aviários familiares que
mostravam a facilidade de ganhar dinheiro rapidamente através da venda de ovos.
De repente não “houve gato-sapato” que não tivesse um aviário num velho
barracão lá no quintal. Os ovos passaram a ser em excesso no mercado. Vai daí,
a associação dos criadores de frangos e galinhas mandou fazer anúncios
televisivos aconselhando o consumo de ovos, por serem um excelente alimento.
Mesmo assim o escoamento não se fazia. Consequência: os aviários mais precários
e mais “modestos” fecharam. Mas como tinha havido a campanha publicitária, nos
meses subsequentes a procura de ovos aumentou e, como o preço subiu, aqueles
que tinham desistido da produção voltaram a, nos velhos barracões, fazerem
novos aviários; os lucros foram florescentes até ao momento de haver super
abundância de ovos. Nova campanha televisiva; nova ruptura na produção por
falência dos mais fracos produtores; novo ponto de equilíbrio e novo aumento de
procura, voltando outra vez tudo à mesma situação. Bastou o facto de se deixar
de publicitar o consumo de ovos para se encontrar o ponto de equilíbrio de
produção, de consumo e de preço.

 

Portugal, talvez até a Europa, precisava de uma “campanha” de “consumo”
para haver procura, mesmo que, na fase inicial, a “produção” se fizesse em “barracões”.
Todavia, estamos exactamente a viver o ciclo contrário, isto é, o desincentivo
à produção que conduz ao desemprego e à incapacidade de compra. Tem de vir de
“fora”, por um qualquer processo, uma lufada de capital que reanime algumas
indústrias de consumo imediato para se inverter o ciclo. Claro que terão de
ocorrer reformas estruturais, já que não se pode deixar crescer um aparelho
parasitário da economia o qual só se justifica através da “produção de
barracão”. Dou um exemplo: as empresas municipais de parques de estacionamento
automóvel. É verdade que, com elas, se procurou disciplinar o estacionamento em
certas localidades, mas é verdade, também, que o exemplo foi seguido por muitas
câmaras que viram neste “barracão” um processo de dar gordos salários a uns
quantos “boys” e gerar emprego aparente para uma série de pequenos vigilantes.
Serão necessárias tantas empresas de estacionamento? Será necessário estender
tão longe e a zonas tão disparatadas a acção dessas empresas?

 

Só quis dar um exemplo. Poderíamos ir mais longe e analisar o que é
parasitário na estrutura produtiva. Isso tem de ser devidamente regulado e,
acima de tudo, regulado com independência. Há que desmantelar os excessos
parasitários e permitir o crescimento do tecido realmente produtivo, ou seja,
daquele que contribui de forma positiva para a criação de riqueza e, como
consequência, que alimenta os cofres do ministério das Finanças para cobrir a
parte das obrigações do Estado de bem-estar a que nos habituámos.

Será que a mudança na Europa se faz neste sentido? Será que em Portugal
haverá governo capaz da independência necessária para levar a cabo as reformas
indispensáveis? Tenho dúvidas, porque para tudo isto é necessária uma grande
disciplina e, acima de tudo, objectivos muito bem marcados e inflexivelmente
definidos. A “orquestra” governamental e europeia tem de “tocar” em sintonia…
Não se pode deixar que cada um “toque” a “música” que quer, sabe, lhe dá na
real gana ou lhe mandam “tocar”.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D