Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

A AUSTERIDADE O VÍTOR E O PAUL

 

Como diz o Eng. Aquilino Ribeiro Machado, austeridade lembrava, até aqui há poucos meses, alguém que tivesse um porte austero, rigoroso, severo. Mas agora austeridade é sinónimo de miséria (não de miséria de espírito, pois dessa andam por aí uns quantos, há muito tempo, quase nus), de pobreza financeira imposta por terceiros e não por incapacidade de ganhar a vida. Austeridade é sinónimo de desemprego, de carência de assistência sanitária, de fome de comida (há outras fomes que grassam por aí, mas para as quais não há remédio, pois para a indigência intelectual não há quem tenha paciência). Austeridade tornou-se, pois, numa palavra de ordem com significado diferente do comum.

 

Austeridade, tal como é entendida hoje, tem uma acepção económica: contenção de gastos, aumento de impostos, redução de consumo e, consequentemente, função da lógica do mercado, redução da produção, diminuição da oferta.

 

Quando, há trinta e dois anos, ensinei macroeconomia e ainda se falava de sociedade de abundância (algum tempo antes de se dar início à euforia das teses neoliberais) tinha-se a certeza de que, a uma redução da demanda, correspondia uma quebra mais acentuada na produção e que, para se encontrar de novo o equilíbrio, havia que injectar no mercado meios financeiros que reanimassem a procura para, por efeito quase “miraculoso”, reanimar a produção e assim ampliar-se a oferta. E a injecção de meios financeiros podia fazer-se por duas vias (nem sempre simultâneas): ou facilitando o crédito (processo quase sempre difícil em situação de recessão) ou aumentando o número de compradores através de os subsidiar. E onde estavam os compradores carentes de subsídios? Está bom de ver que entre os desempregados e as classes inactivas (os reformados).

Tratava-se de uma fórmula que vinha sendo praticada desde os anos subsequentes aos da “Grande Depressão”. O Estado era, assumidamente, um agente regulador das irregularidades do mercado e, porque o era, permitia-se inflacionar a moeda para aumentar a capacidade exportadora das indústrias de todo o tipo que se dedicavam, mesmo que marginalmente, à exportação. O Estado desejava o bem-estar das populações e tinha como meta uma sociedade onde a abundância fosse a rainha e a palavra de ordem. Apostava-se na criação de uma classe média estável e estabilizada. O défice orçamental do Estado bem gerido era mais um instrumento ao serviço da economia. Austeridade… só no vestir e nos comportamentos sociais!

 

Hoje, em Lisboa, Paul Krugman recebeu o título de Doutor “Honoris Causa” e disse que Portugal tinha 75% de probabilidades de se manter no euro e não ter um destino tão fatal como aquele que está reservado à Grécia. Triste prognóstico! Só 75% de possibilidades, depois de tanta austeridade! E disse mais… É que já chegava de austeridade. Ele continua a acreditar numa sociedade de abundância na qual o Estado tem um papel a desempenhar como regulador do bem-estar social. Ele acredita que o Estado é o principal agente regulador da economia. O Estado tem uma vocação social activa e não passiva como era comum no século XIX.

Claro que o grande problema se coloca na União Europeia – e especialmente na zona euro – quando se não tem um Estado Europeu e se tem uma moeda única que não impõe solidariedade, mas equilíbrio orçamental e, acima de tudo, quando não há uma soberania única que defenda o bem-estar das populações, mas que, afinal, luta pelo bem-estar dos “mercados” (entenda-se: mercados financeiros ou banca internacional).

 

Portugal (leia-se: os políticos portugueses), ao arrepio da sua história, apostou tudo num só “número” nesta roleta europeia: a adesão descontrolada, sem objectivos estratégicos bem definidos e sempre querendo emparceirar com os Estados do “pelotão” da frente. Errou! Perdeu! Porque não, dar a oportunidade ao Doutor Paul Krugman de assessorar o nosso Primeiro-ministro durante uns meses? Deixá-lo ser o mentor de Passos Coelho e arredar da feira das vaidades nacionais esses economistas de “trazer por casa”!!! Dê-se férias ao Vítor e fiquemos com o Paul se ele aceitar…

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D