Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Dignifiquem-se os capitães e os coronéis

Fonte: Revista da Armada

 
Foi ontem que o jornal Diário de Notícias publicou a entrevista que fez ao tenente-general Tomé Pinto, antigo comandante da GNR.
Não concordo com algumas das afirmações daquele oficial, acho que teve hesitações e precauções excessivas para quem, liberto das peias do serviço activo, pode expressar a sua linha de pensamento com ampla liberdade. Contudo, no meio das afirmações, faz uma que não posso deixar de louvar vivamente. Diz ele: devia-se (um se indefinido) dignificar os capitães e os coronéis; di-lo, em oposição à vontade que existe de se percorrer rapidamente as carreiras para atingir os postos superiores para ganhar mais dinheiro.
 
Há, de facto, hoje a inflação dos postos e dos cargos. Dou exemplos.
Há 50 anos, os directores do Colégio Militar e do Instituto dos Pupilos do Exército eram coronéis, hoje são majores-generais; há 40 anos, sem computadores e usando máquinas de calcular manuais, escriturando a contabilidade à mão, os conselhos administrativos das unidades militares tinham, como chefes de contabilidade, às vezes um alferes ou um tenente, agora, com o apoio de toda a tecnologia, têm vários oficiais de Administração; há 35 anos, havia sargentos pilotos na Força Aérea, actualmente só há oficiais do quadro permanente; há 40 anos entregava-se o comando de uma Companhia — um pouco mais de 120 homens — a um capitão que se lançava, em operações, no mato, por vezes, distantes da sede do comando do Batalhão muitas centenas de quilómetros e quase sem ligações rádio; agora, mandam-se 130 militares para uma missão fora do país e é comandada por um tenente-coronel. Eu próprio era alferes, com 26 anos de idade, e estive dezoito meses numa situação em que o meu chefe directo se encontrava a 1 200 Km de distância! E tinha chefia sobre mais de 50 pessoas e responsabilidade perante mais de duas centenas!
Claro que se quisesse dar exemplos mais antigos, diria que, em 1914, foram nomeados três capitães do Estado-Maior para negociar com o Estado-Maior do Exército Britânico a forma como se devia processar a entrada e colaboração das tropas portuguesas na Grande Guerra.
 
Chamei inflação de postos e cargos, porque, de facto e como se comprova, cada vez mais se dá menos responsabilidade às várias graduações militares. Assim, deste modo, a tendência é para fazer crescer o topo da pirâmide hierárquica e acelerar as promoções.
 
Dêem-se mais responsabilidades aos capitães — porque estão no meio da escala de comando e organicamente podem ter um desempenho de grande importância — e aos coronéis — porque, realmente, são o topo da estrutura de comando de umas Forças Armadas, já que oficial general deveria ser uma situação de excepção — e, como disse o tenente-general Tomé Pinto, muita coisa, pela certa, vai mudar.
 
Mas — há sempre um mas — para que se dignifiquem os capitães e os coronéis tem de se lhes reconhecer e dignificar a condição militar e a condição de comandantes e chefes. Têm de ser pagos com a dignidade das responsabilidades que se lhes exigem. Era por isso que há duas dezenas de anos um coronel ganhava quase o mesmo que um juiz de círculo!
As distorções resultantes da inflação da responsabilidade tiveram como consequência, também, a redução dos vencimentos dos vários postos. Assim, quando um major-general desempenha o cargo antes ocupado por um coronel, este têm de sofrer uma redução no seu soldo; quando um tenente-coronel fica responsável por um número de homens que antes eram comandados por um capitão, este tem de ser pago a um nível bastante inferior.
 
A culpa não é das actuais chefias militares, mas são elas que têm resolver esta complicada situação: mais dignidade para capitães e coronéis com mais e melhor vencimento, com mais amplo reconhecimento público e político e, acima de tudo, como muito menos, mas muito menos mesmo, generais, porque é a raridade que traz o valor!

17 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D