Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Promoções por mérito

 
Saiu nos jornais de sexta-feira, 15 de Junho. Pode ler-se no Diário de Notícias que divulgou a informação com a fotografia que, com a devida vénia, encima esta crónica.
 
O Governo e o ministro da Defesa Nacional já não sabem o que hão-de inventar mais para dar cabo das Forças Armadas. Agora, da cartola, arrancaram esta das “promoções por mérito”. E, admitindo que o jornalista que divulga a notícia se limitou a reproduzir parte do conteúdo do diploma, então prova-se que a ignorância é total, pois começa assim: «A antiguidade vai deixar de ser um posto nas Forças Armadas.»
 
Isto, para um militar constitui uma afirmação cretina. A antiguidade sempre foi um posto nas Forças Armadas e vai continuar a ser. Tomemos um exemplo simples: a minha pessoa e a de um coronel com 76 anos de idade — mais dez do que eu. Qual de nós é o mais graduado, por ser o mais antigo? Qualquer militar responderá que o coronel com 76 anos de idade, porque «a antiguidade é um posto»! O mais antigo na mesma graduação é sempre de posto superior ao mais moderno!
Mas deixemos esta minudência que só quem é militar compreende. Passemos às matérias substancialmente mais importantes.
 
Até ao presente estava legislado que as promoções de capitão em diante se faziam por escolha. Note-se bem, por escolha. Esta recaía sobre os graduados ordenados segundo a sua natural antiguidade.
Suponhamos um curso com três capitães. O número um, dos três, fica sujeito à apreciação para a promoção a major, mas as informações que tem recebido sobre o seu comportamento e conduta são em valor relativo e absoluto inferiores às do seu camarada classificado em segundo lugar. Quem vai ser promovido? Naturalmente que o capitão que se encontra em segundo lugar; o número um é ultrapassado ficando, por conseguinte, retardado. Isto trata-se ou não de uma promoção por mérito?
Se isto não é mérito, então já não sei o que o é! E note-se que alguns dos oficiais-generais da Força Aérea, que atingiram altos cargos naquele Ramo, ultrapassaram camaradas seus nas promoções a coronel e, até, a major-general! Foram recompensados pelos seus méritos ou não foram?
Este processo de progressão na carreira tomou a designação de «promoção por escolha».
No Exército, aqui há alguns anos, quando foram introduzidos novos critérios de avaliação de desempenho, houve situações de grandes “saltos” entre camaradas do mesmo curso, em consequência da alteração da ordem dentro dos respectivos quadros, facto que chegou a gerar mau estar e cortes de relações entre oficiais amigos de muitas dezenas de anos.
 
Como se vê, o actual sistema já permite levar em conta o mérito individual no momento da promoção, contudo, se o que se pretende é montar uma processo de reclassificação anual da posição relativa dos militares dentro dos respectivos quadros, especialidades ou classes, então, está-se a condenar as Forças Armadas ao compadrio e à politização. Vejamos.
 
Admitamos um oficial que é colocado num cargo próximo de uma figura importante do Estado e que o “serve” como qualquer lambe-botas o faria. Naturalmente, por anos a fio, esse oficial receberá informações que o “atiram” para os lugares cimeiros do seu quadro e graduação, colocando-o em condições de ser promovido na primeira vaga que ocorrer. Fará uma carreira relâmpago, enquanto que o anteriormente primeiro classificado, porque, por temperamento, é frontal e directo e está colocado junto de um comando que valoriza a subserviência e o apagamento da personalidade, por um mau entendimento do sentido da autoridade, é sucessivamente contemplado com fracas informações, passando do início da escala para os lugares finais, ficando, deste modo, distante de qualquer promoção.
Será isto um método de qualificação do mérito individual?
 
Para se implantar um processo de valorização por mérito terá de ser gradualmente imposto e muito bem definidos os padrões de apreciação, tendo em atenção que os mais subjectivos serão os que menos peso devem representar. Por exemplo, o conceito de lealdade, é dos mais subjectivos que se podem imaginar, porque a lealdade é passível de se confundir com fidelidade, com subserviência, com falta de personalidade, com ausência de verticalidade. A lealdade é semelhante a um qualquer fluído: toma a forma do vaso que o contém e é olhada de acordo com esse fenómeno de aparências.
O mérito terá de ser medido com dados objectivos, tais como frequências de cursos, participação em exercícios, apresentação de trabalhos escritos ou propostas para benefício dos serviços, factores que, por si só, nem sempre estão na mão ou na vontade do interessado. Só o que é numericamente quantificável se torna passível de fugir à subjectividade. Ora, na vida castrense, são maiores os elementos de avaliação subjectivos do que os objectiváveis: aprumo, prontidão, coragem, frontalidade, noção do dever, patriotismo, vontade de aprender e progredir, sentido da disciplina, correcção, abnegação e tantos outros.
Para garantir um sistema de classificação com base em factores subjectivos tem de existir um factor estabilizante que permita o amortecimento dos efeitos desviantes. Até agora esse factor era a quase impossibilidade de alteração da ordem fora do curso de origem da escola de formação inicial. Quer dizer, poderia haver ajustamentos na ordenação dos elementos do curso, mas, muito raramente, um elemento de outro curso se intrometia ou desarticulava a ordem preexistente.
 
O bom-senso dos Chefes dos Estados-Maiores tem de prevalecer sobre a fúria reformista dos membros do actual Governo, porque estes são como folhas caducas que caiem todos os Outonos, mas a instituição militar quer-se perene como a própria Pátria. Que os efeitos de conjunturas momentâneas não vão afectar o que deve ser sólido e está consolidado e, acima e apesar de tudo, ainda disciplinado. Esse é o dever e a grande responsabilidade dos generais Chefes.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D