Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Na morte de Fidel Castro, a pergunta: liberdade ou liberdades?

 

Porque o meu Pai, embora nascido em Monarquia, cresceu na República, a 1.ª, entenda-se, e viveu, até aos dezanove anos de idade, em democracia parlamentar, eu interroguei-o, várias vezes, sobre o que era a liberdade e como é que ela, na prática, se geria. Ficou-me, dessas conversas, uma frase que vejo e oiço repetida por muita gente:

— A nossa liberdade acaba onde começa a liberdade dos outros.

Cresci a pensar assim. Exactamente assim. Depois dos meus estudos de politologia conclui que vivera, até então, numa meia verdade, numa quase falácia. É isso que vou tentar explicar em poucas palavras.

 Se a minha liberdade acaba onde começa a liberdade dos outros eu estou a defender o sistema de liberdade mais limitativo da liberdade que se pode imaginar!

Vejamos, quanto maior for a minha liberdade, mais pequena será a dos outros e, aí sim, a minha liberdade é magnífica! Mas os outros pensarão o mesmo e, nesse caso, o sistema terá a figura de uma selva onde se luta por alargar a liberdade individual à custa da redução da de todos.

Como se percebe, esta definição de limites da liberdade só pode existir num regime que privilegie o individual. Esta será a liberdade do liberalismo onde o limite de crescimento é aquele que cada um for capaz de alcançar. Por conseguinte, esta liberdade é a do regime capitalista, onde o bem primeiro da sociedade reside na pessoa e nas suas capacidades. Assim, em capitalismo, teoricamente, eu posso desejar tudo, dizer tudo, fazer tudo, desde que não contunda com os interesses dos outros. E, neste caso, interesses passam a ser direitos.

 Vejamos agora o conceito de liberdade num regime que zele pelo bem-comum sem privilegiar o individual, mas tenha como cuidado defender o colectivo.

A liberdade individual, neste caso, deverá ser limitada em função da comunidade. E as regras têm de ser muito bem definidas, pois toda a atitude que extravase os limites estabelecidos vai esmagar o colectivo. Esta é a liberdade dos regimes que falam, legislam ou funcionam em nome da comunidade. Esta era a liberdade do Estado Novo, de Salazar, porque, seguindo o slogan desses tempos — «Tudo pela Nação, nada contra a Nação» —, por cima do indivíduo estava o colectivo nacional.

 Como se vê, são liberdades diferentes, que provêm de regimes diferentes e têm objectivos diferentes. As perseguições em Cuba, das quais se acusa Fidel Castro, eram feitas em nome da defesa do colectivo e tiveram, e têm, a legitimidade da revolução socialista, ou seja, colectivista. Quem as critica é porque, necessariamente, está integrado, defende e aceita o sistema individualista da sociedade.

E como se explica o regime de Salazar?

Simples! Tal como o fascismo italiano, teoricamente existia para gerar o bem de todos, mas só beneficiava, efectivamente, uma clique cujos limites eram estabelecidos pelo ditador.

 Acho que fui suficientemente claro e sintético para se perceber que há liberdades diferentes, porque há regimes diferentes — os individualistas e os colectivistas — e, consequentemente, há também conceitos diferentes de democracia em cada um deles.

Só percebendo estes particularismos da Política se pode perceber a grandeza de Fidel Castro ou a tirania do Comandante. E grandeza e tirania resultam da aceitação ou recusa do modelo político por ele posto em marcha, depois do derrube de uma ditadura corrupta e completamente enfeudada ao grande capital dos EUA.

Fidel Castro

 

Morreu o homem que ousou desafiar os EUA mesmo geograficamente pegado ao território da grande potência. Morreu o líder de uma revolução que empolgou os rapazes da minha juventude. Morreu o homem que abandonou a farda da revolução para passar a vestir um fato de treino.
Morreu, e não sei o que dizer mais, neste momento. Só sei que morreu alguém que marcou, pelo menos, uma geração com sonhos de criar uma sociedade justa. Não a criou, mas gerou um país onde a cultura chegou onde nunca chegaria, se se mantivesse no caminho anterior.
Morreu um homem com defeitos e virtudes, que influenciaram opiniões acerca dele. Morreu e desejo que fique em paz.
Um dia, com mais calma, voltarei a falar de Fidel Castro.
Hasta siempre, Comandante!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D