Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Os "donos" dos hospitais militares

Recordo-me de, quando era muito menino, a figura central do Hospital de Marinha ser a do Senhor Fiscal. Era um segundo-tenente do Serviço Auxiliar oriundo da classe de sargentos enfermeiros. Não sei, com exactidão, quais as funções que desempenhava, mas sei que mandava na enfermagem e que os enfermeiros eram os elementos de maior suporte do Hospital. Havia o médico de serviço ao banco, mas todos os restantes, depois de cumprido o horário, retiravam-se para os seus consultórios onde completavam os ordenados de oficiais de Marinha. O Hospital ficava entregue aos enfermeiros de vela!

 

Vem esta recordação ao caso, porque, entre nós, se falou de saúde militar, esquecendo o papel fundamental dos enfermeiros nesse complexo que está presente em todas as situações em que o militar ou a sua família carece de serviços sanitários, desde o hospital até à tenda de primeiros socorros em campanha. O enfermeiro já não é o tipo que só sabe fazer pensos e dar injecções e cumprir sem perceber as ordens do médico! O enfermeiro é, cada vez mais, um precioso auxiliar deste, porque está em permanência à cabeceira do enfermo e sabe, e deve, transmitir ao clínico as alterações que exigem a sua intervenção. Hoje em dia não é enfermeiro quem quer, mas quem tem vocação. Isso mesmo já o meu pai — enfermeiro da Armada — afirmava, em 1944, no Arquivo do Enfermeiro, n.º 11, do mês de Março, nas páginas 19 e 20, num artigo intitulado “Posso ser enfermeiro? Considerações sobre a orientação na escolha da profissão” citado por Ana Isabel Silva, na obra A Arte de Enfermeiro: Escola de Enfermagem Dr. Ângelo da Fonseca, editada pela Imprensa da Universidade de Coimbra no ano de 2008. Há setenta anos ele preconizava testes psicológicos de selecção vocacional.

O enfermeiro militar é o elemento de saúde de primeira linha: ele está entre as tropas de assalto tal como no hospital de retaguarda; ele faz o primeiro diagnóstico e indica o primeiro socorro. A saúde militar não é só um assunto de médicos e de altas patentes militares. É um tema que tem de ser discutido de raiz e nela está o enfermeiro.

 

Os hospitais, para serem o que se pratica ainda em alguns países, deviam ter uma direcção clínica e uma direcção funcional; ocupava-se da primeira um médico, porque a sua competência se orienta para a acção terapêutica, e, da segunda, um enfermeiro devidamente habilitado, porque a sua acção se orienta para a subsistência da instalação e dos seus ocupantes na ausência do médico; é ele quem sabe quantos e quais os meios necessários à boa gestão técnica e funcional da unidade hospitalar. Claro que pode haver um administrador, mas esse só lida com as disponibilidades financeiras e um hospital é muito mais que uma questão de dinheiro!

 

A saúde militar não se confina ao tempo de paz e ao hospital e, neste, aos doentes internados, às consultas externas, aos militares no activo, na reserva e na reforma bem como às suas famílias; o hospital é a unidade de recuperação na retaguarda para quem se entrega ao esforço do combate; é o local onde se concentram diligências para tratar todos quantos já receberam os primeiros apoios nas unidades de saúde da frente; mas é também o estabelecimento onde, pela diversidade de enfermidades que por lá passam, dá experiência ao pessoal para alcançar conhecimentos e treino que só beneficia os mais carenciados de cuidados clínicos. E neste treino é angular a figura do enfermeiro que, muitas vezes, colmata silenciosamente as falhas do médico ou o auxilia dando-lhe o apoio nas decisões a tomar.

 

É tempo de, entre nós, ao enfermeiro militar ser reconhecido o seu papel fundamental na saúde, tanto quando empenhado em operações e treinos no campo como, especialmente, dentro do hospital. Há hierarquias técnicas e hierarquias castrenses e, na minha opinião, as primeiras não têm que estar subordinadas à rigidez das segundas, porque podem caminhar a par e passo, completando-se tal como se completam para cumprir o dever mais sagrado a ambos: salvar vidas e ajudar a morrer bem.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D