Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Panteão Nacional

 

O que é um panteão nacional?

Esta é, julgo, a pergunta que se tem de fazer para definir quem e porquê deverá ter como última morada o lugar consagrado por um povo aos que dentro dele foram grandes em vida.

Não sendo exaustivo na resposta – as respostas muito longas são, por regra, as piores de todas – direi que um panteão nacional deverá ser o local onde repousam, real ou virtualmente, os restos mortais dos cidadãos que, pelas suas obras em vida, traduziram a alma, a essência, o carácter e as virtudes desse mesmo povo; aqueles que, se fosse possível existir uma santificação laica, seriam eleitos para figurar na “corte” “celestial” da pátria desse povo. Cada túmulo guardaria, pelo menos, uma virtude cívica a ensinar às crianças, pois nelas repousa a continuação da cultura, isto é, da maneira de estar e de ser de um povo na Terra.

 

Este é o meu entendimento de um panteão nacional. Assim, é à luz de tais traços que posso conceber o Panteão Nacional português. Um local que está e fica simbolicamente sempre acima de todas as tricas, de todos os interesses mesquinhos dos vários grupos sociais e, principalmente, acima dos regimes políticos. Ali não deverá ter lugar o que é efémero, mas somente os valores perenes da Pátria.

 

É por isso que raramente visito o nosso Panteão! Interrogo-me sobre a razão de lá estar o marechal Carmona, Sidónio Pais, Manuel de Arriaga, Teófilo Braga e, desculpem-me, Amália Rodrigues, para citar os mais evidentes e polémicos no meu ponto de vista. Ali deveria ser o lugar onde repousariam todos os que, no dizer de Camões, «da lei da morte se foram libertando».

Mas libertaram-se como? Porque se tornaram inesquecíveis ou porque se transmutaram em símbolos do carácter nacional?

 

E é neste aspecto que eu fundamento a minha questão... O carácter nacional! É este um dos mais polémicos elementos que nos une e nos divide: o nosso carácter!

Como somos nós? Como nos distinguimos dos restantes povos? Como nos individualizamos? Quem, afinal, podemos dizer que nos representa? O anónimo emigrante ou o conceituado poeta? O heróico soldado ou o mais sacrificado de todos os santos? O ignaro cidadão de enxada às costas ou o escritor laureado pelo mundo e pela crítica? O explorador de continentes e executor de êxitos sem limite ou o “self-made man? O político impoluto e respeitado ou o comerciante e homem de negócios benemérito? O atleta que se consagrou no mundo do desporto ou o actor que levou o nome de Portugal para o estrangeiro? O professor e pensador de primeira grandeza no seu tempo ou o aluno carregado de estigmas físicos que se superou até conquistar o direito de ser exemplo?

 

Vedes a dificuldade de “santificar” no “paraíso celeste” da Pátria um de entre muitos exemplos?

Se não déssemos, enquanto povo e enquanto dirigentes, ao longo dos tempos, tão pouca importância ao estudo das Ciências Sociais e Humanas talvez já tivéssemos sido capazes de definir o carácter dos Portugueses. O nosso carácter. Mas preocupamo-nos tão pouco em conhecermo-nos! Damos muito mais importância ao conhecimento dos outros povos para os bajularmos e copiarmos, na maior parte das vezes, mal! E essa é também uma característica nossa!

É difícil fazer o nosso retrato! Olharmo-nos ao espelho e vermos quem somos e como somos com o realismo de uma objectiva fotográfica. Mas só quando o fizermos o nosso Panteão Nacional albergará aqueles que nos alicerçaram o passado e nos garantem a continuidade no futuro. Se o não fizermos, esse Panteão será, afinal, de forma imperfeita, o nosso retrato mais próximo, pois albergará todas as contradições de que somos feitos e com que singrámos ao longo da História, aos tombos, só seguros por meros acasos que alguns atribuem a virtudes taumatúrgicas de uns quantos “salvadores da Pátria e da honra nacional”.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D