Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

A obrigação militar

 

Anda a circular na Internet um texto da autoria do
meu Camarada e Amigo pessoal Coronel David Martelo. Não o vou transcrever para
aqui, mas, contudo, vou glosá-lo naquilo que de essencial ele diz de forma
inteligente e ordeira.

 

Recorda o autor os termos da fórmula do juramento de
bandeira de todos os soldados de Portugal:

«Juro, como português e como militar, guardar e fazer
guardar a Constituição e as leis da República, servir as Forças Armadas e
cumprir os deveres militares. Juro defender a minha Pátria e estar sempre
pronto a lutar pela sua liberdade e independência, mesmo com o sacrifício da
própria vida.»

 

Atente-se neste particularismo que David Martelo, no
seu texto, realça: «guardar e fazer guardar a Constituição e as leis da República».
Afinal, bem lidas as palavras da fórmula do juramento, está claramente nela expresso
que os militares em conjunto e individualmente – porque o juramento é
individual, ainda que feito colectivamente – são os garantes da Constituição e
das Leis da República. Há Presidente da República, há Tribunais, há Parlamento,
há Governo, há órgãos de soberania, à polícia e forças de segurança, mas, acima
de todos eles, há os militares que guardam e fazem guardar a Constituição e as
Leis da República. Os militares, enquanto instituição, são, afinal, os garantes
da ordem constitucional e da ordem legal do país.

 

A partir da base anterior, poderiam as Forças Armadas
perguntar, com toda a propriedade, quantas e quais são as Leis da República que
não estão a ser acatadas. Poderiam, com toda a legitimidade do cumprimento de
um juramento, exigir a imediata execução das Leis para pôr cobro a todos os
desvios e desmandos que assistimos e dos quais temos conhecimento. Poderiam,
também, manter um sistema de controlo para verificação dos desregramentos que
ocorrem.

 

Estará o leitor a pensar: — Mas, então, onde está a
democracia? Eu respondo: — Reside na liberdade de escolha daqueles que fazem as
Leis e modificam a Constituição, contudo, uma vez feitas ou alterada esta, cabe
às Forças Armadas, em última instância, «guardar e fazer guardar» essas mesmas
normas. Replica o leitor: — Mas isso é manter uma tutela militar sobre a
democracia! Respondo eu: — Claro que, na prática, a tal corresponde, porque são
as Forças Armadas o último garante da soberania e da liberdade nacionais,
jurando, fazê-lo, se necessário for, com sacrifício da sua própria vida! É esta
a grandeza de ser militar! É esta a única profissão a quem se exige o
sacrifício da vida se tal for necessário! É por isso que servir nas fileiras
militares é uma honra à qual todo o português devia estar sujeito para, de
corpo inteiro, usar da dignidade de ser Cidadão, porque, como lapidarmente
disse Horácio, “Dulce et decorum est pro patria mori” (é doce e honroso morrer
pela pátria). A nenhum Presidente da República, a nenhum governante, a nenhum
juiz, a nenhum deputado, para o desempenho da sua missão pública, se lhe pede
um juramento deste tipo; só o soldado o faz, porque só coberto pela honra de
trajar o uniforme das Forças Armadas fica investido na obrigação de «guardar e
fazer guardar» a Constituição e as Leis de Portugal.

 

Percebe-se assim, a razão para os políticos —
especialmente os desonestos e os astuciosos — “atacarem” com leis drásticas as
Forças Armadas, cortando-lhes direitos que os distinguiam, por o merecerem, dos
restantes servidores do Estado, reduzindo-os, se possível, à mera condição de
funcionários públicos. Precisando das Forças Armadas, querem-nas acéfalas,
pacíficas, moribundas para que não tenham a veleidade de «guardar e fazer
guardar» a Constituição e as Leis da República. Que tristeza!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D