Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

TRINTA E OITO ANOS

 

Faltam poucas horas para que se perfaçam trinta e oito anos sobre o dia
em que o Exército, a Marinha e a Força Aérea, através do Movimento dos
Capitães, mais tarde assumido como Movimento das Forças Armadas, criaram as
condições para se declarar a democracia em Portugal.

Nas semanas subsequentes a 25 de Abril de 1974 a liberdade foi reassumida
integralmente e, um ano depois, realizaram-se as primeiras eleições livres no
Portugal de Abril. Os militares cumpriram as promessas que haviam feito um ano
antes. Em 1976 estava a ser votada a nova Constituição Política e, funcionando
como órgão tutelar da democracia, manteve-se em actividade até 1982 o Conselho
da Revolução. Tinha que se garantir aquilo que se passou a designar pelo
“espírito de Abril”, ou seja, a liberdade, a democracia e a justiça social.
Esses foram os pilares, para além da descolonização, sobre os quais, o
Movimento das Forças Armadas queria ver reconstruída a sociedade portuguesa.
Por isso se fizeram as nacionalizações em 11 de Março de 1975 – havia que
travar o passo à reacção que se concentrava em redor dos grandes interesses
capitalistas que tinham apoiado o regime do Estado Novo. Travar o passo à
exploração que havia sido o esteio do fascismo português, porque Abril tinha um
ideal; não era socialista, não era comunista, não era social-democrata; era,
acima de tudo, o ideal de justiça social. Um ideal de sociedade onde cada um
chegasse tão longe quanto as suas honestas possibilidades o pudessem levar. Era
um ideal de lhana verdade, de honradez, de verticalidade, de frontalidade. Era
um ideal cívico igual àquele que nas fileiras militares se ensina a quem nelas
vive, porque, na tropa imperam valores de coragem e abnegação que são
compatíveis com outros praticáveis por toda a sociedade. Esses valores, todos
eles, haviam sido vividos pelos Capitães de Abril em campanha, nas frentes de
combate em África, quando enquadravam os filhos do Povo que a Nação lhes tinha
confiado para cumprirem o dever que lhes era imposto. Foi lá, sob o calor e as
chuvas tropicais, que os Capitães se aperceberam mais completamente do Portugal
que sangrava em consequência de uma miséria à qual estava sujeito; do Portugal
atrasado que o fascismo deixara crescer para melhor o explorar, para melhor lhe
arrancar o suor da testa; do Portugal que era pai para muito poucos e padrasto
para quase todos. Esse Portugal conheceram-no bem os Capitães de Abril e, por
isso, recusaram o «estado a que isto chegou» no dizer de um dos seus mais
lídimos representantes. Recusaram quando começaram a conspirar, arriscando como
mais ninguém a sua carreira e, talvez, a sua vida; recusaram quando saíram para
a noite escura, depois de terem ouvido na rádio a primeira senha – “E Depois do
Adeus” – nas primeiras horas de 25 de Abril de 1974.

 

A Associação 25 de Abril, que reúne no seu seio, a maioria do militares
de Abril de 1974, tem toda a legitimidade – legitimidade que lhe vem do facto
de aos militares das Forças Armadas se dever, há trinta e oito anos, a
democracia e a liberdade – para afirmar que o presente Governo está a atraiçoar
os ideais de Abril quando, através de uma “suave revolução” reduz, de novo, o
Povo à miséria em nome dos valores da alta finança, em nome dos valores da
desigualdade, da servidão e da humilhação.

Não há voto popular que legitime um Governo como aquele que se senta hoje
nas cadeiras do Poder em Portugal. O voto popular – o voto de uma minoria dos
Portugueses – deu legitimidade às promessas que foram feitas e não foram
cumpridas! Não legitimou a mentira! E essa verdade só tem força legítima para a
gritar bem alto aqueles que, em nome do Povo, pelo Povo e com o Povo, deram a
Portugal a democracia, a liberdade e a promessa de desenvolvimento.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D