Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

RECORDAR O PASSADO

 

Quando Salazar tomou conta da pasta das finanças, em 1928, Portugal
estava com a situação financeira tão mal que carecia de um empréstimo – mais um
de entre outros que havia contraído em Londres – já só possível de conseguir
junto da Sociedade das Nações. Os exilados políticos portugueses, de então,
fizeram saber junto daquela organização internacional que não se
responsabilizavam pelo pagamento do empréstimo caso voltassem a assumir o Poder
em Portugal. A Sociedade das Nações recusou o crédito.

Salazar tomou conta da situação e, de imediato, passou à acção: redução
abrupta das despesas do Estado, imposição do fim das greves e reivindicações
salariais, controlo absoluto das despesas extraordinárias de todos os
ministérios. Em três palavras: impôs a miséria. Desta forma o preço da
mão-de-obra baixou drasticamente e o pouco investimento possível no país
encontrava rendibilidade fácil graças às condições de trabalho existentes.
Definiu axiomaticamente que Portugal era um país agrícola e que o crescimento
industrial ficava condicionado de modo a evitar a concorrência desenfreada
entre sectores. Assim, novas indústrias tinham de ser apreciadas e autorizadas pelo
Estado e pelos patrões das que já estavam instaladas.

 

Em poucas palavras julgo que tracei de forma correcta o retrato do
Portugal dos anos de 1930 a 1950. Do quadro esboçado resultam imensas situações
que qualquer cidadão atento pode identificar com facilidade: condicionamento da
instrução pública, restrição do aumento dos quadros dependentes do orçamento do
Estado, favorecimento da alta finança e dos grupos instalados, limitação de uma
classe média a valores financeiros baixos e a numericamente pouco ampla,
existência de uma classe sub-média mais vasta e socialmente estabilizada que
servia de apoio ao “satus quo”, prática de salários bastante baixos compensada
com a existência de produtos de baixo valor, ligeira mobilidade social, fixação
das profissões mais modestas às suas áreas de trabalho, enfim, uma sociedade
com tendência a parar no tempo.

Se tentarmos uma explicação simples para esta situação ela encontra-se na
pobreza estrutural do país e na ausência de definição de uma política de
concorrência com busca de nichos de desenvolvimento.

 

Ao diligenciarmos descortinar o futuro de Portugal depois da intervenção
da troika e das medidas complementares que o actual Governo acrescenta às
determinadas pelo estrangeiro, é-nos fácil perceber que nos encaminhamos para
algo que não andará longe, social e economicamente, do modelo do Estado Novo. Poder-se-á
argumentar que o tempo não volta para trás, que as condições se alteraram, mas
há um facto que não sofreu modificação: a pobreza endémica do país. Na ausência
de uma política agressiva de busca de rumo para a economia nacional – e ela não
foi traçada na altura que melhor se apresentou, após a adesão à CEE – fica-nos
o “esqueleto” sobre o qual vivem os Portugueses. Historicamente, não tem sido
dentro de Portugal que se tem encontrado solução para a pobreza do nosso
território; o mar foi a saída e o comércio o desenlace para o que o solo e o
subsolo nunca nos ofereceram.

Já não temos marinha mercante, estamos em vias de perder a única
companhia de aviação nacional, as auto-estradas levam-nos para a Europa e não
para o Atlântico, a agricultura deixou de se fazer, a indústria está reduzida a
pouco ou nada. Sobram-nos alguns serviços e o turismo e, mesmo este, não o
sabemos explorar de forma rentável… oferecemos sol e praias, esquecendo que há
um Portugal interior para descobrir, um Portugal cultural para dar a conhecer,
um Portugal histórico para ser apreciado e um Portugal monumental que se
degrada à espera de quem o aprecie.

 

A troika e Passos Coelho mais os membros do Governo até parece que
andaram a estudar os tempos de Salazar para os reproduzirem à escala do tempo
presente. Só nos falta a ditadura, mas essa, não desanimemos, a seu tempo
chegará… a indiferença política dos governantes é já disso um sintoma.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D