Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Tentar perceber

 

Os órgãos de comunicação social deram hoje grande destaque à questão da reposição dos subsídios de férias e de Natal que foram retirados aos funcionários públicos e aos pensionistas. Será que é temporária a perda ou tornar-se-á definitiva? Esta é a pergunta que assalta os Portugueses. Passos Coelho veio dar uma resposta que pretende apaziguar os cidadãos: em 2015, pela certa, serã...o repostos os subsídios agora tirados, embora – e nisto vem o truque – não como subsídios, mas como uma importância duodecimal liquidada ao longo do ano. Ou seja, a quantia paga no final de cada ano passa a ser a mesma que seria se houvessem subsídios, deixando estes de existir efectivamente. E os Portugueses, incautos, ficam satisfeitos! Nada de mais manhoso do que o “golpe” de Passos Coelho! Vejamos.

 

Até 2015 não vai haver aumentos de salários – era o que faltava! – mas vamos assistir ao aumento dos preços, ou seja, da inflação. Isto quer dizer que o poder de compra dos Portugueses sairá reduzido. Como é que o Estado vai gerar a sensação de um aumento salarial? Muito simples, abonando dois duodécimos dos respectivos subsídios de férias e de Natal em cada mês do ano de 2015! E o Zé Pagode, já habituado a viver sem subsídios, até acha que foi francamente aumentado! Mas não foi! O que vai acontecer é que a inflação desaparece à custa daquilo que por direito nos pertence e que nos vai ser reposto de modo enganador. E, desta forma, evitam-se os aumentos de salário durante os anos de 2015 e de 2016, pelo menos. Depois, os aumentos, quando os houver, serão sobre o salário mensal que os funcionários públicos receberem e, por força do “aumento” resultante da integração dos duodécimos dos subsídios, nunca atingirão a percentagem da inflação real. Está montada a armadilha e a vigarice! Assim, a inflação dos anos de 2012, 2013 e 2014 nunca será efectivamente reposta, pois vai ser atenuada com o valor dos nossos próprios subsídios quando voltarem a ser liquidados. Para além do mais, a integração duodecimal dos subsídios de férias e de Natal no salário do funcionário leva-o a suportar, também nos subsídios, todos os descontos de que antes estavam isentos.

 

Vai acontecer com os subsídios algo semelhante ao que ocorreu com o desconto de IRS quando este foi obrigatório para os funcionários públicos: disse-se que o trabalhador do Estado nada perdia com essa dedução, pois o seu valor iria ser abonado ao vencimento. Seria um jogo de soma zero: toma lá dez para me dares dez. Isto foi verdade enquanto o valor do IRS se manteve igual, mas, após o primeiro aumento do imposto deixou de ser real, porque o salário, efectivamente, desceu. Foi uma vigarice! E são vigarices todas estas manigâncias que os diferentes governos levam a cabo, porque o Estado, em Portugal, não é pessoa de bem! Cada dia que passa temos mais razões para nos sentirmos defraudados, enganados, vigarizados. Portugal caminha a passos largos para a miséria.

Quando é que percebemos?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D