Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Comunicado n.º 8/2010 da Associação Nacional de Sargentos

Recebi directamente do meu Amigo António Lima Coelho, Presidente da Associação Nacional de Sargentos, e dou, com muito gosto, a publicidade que merece o comunicado em epígrafe:

 

Vivemos um dos períodos mais confusos e complexos da nossa centenária história. À crise nacional, também ela velha (leiam-se os escritos de Eça e Junqueiro) junta-se uma crise dita global, sistémica e de consequências dramáticas para milhões de pessoas em todo o mundo, mas também de enriquecimento rápido e brutal para uma minoria.

Na sua sabedoria popular o nosso povo criou a história dos médicos, pai e filho, e do paciente rico com uma carraça no sovaco. Num dia em que o pai se encontrava ausente o paciente foi atendido pelo filho, que detectou e extraiu a carraça. Quando o pai regressa, o filho informa-o, satisfeito por ter resolvido o problema do paciente, ao que o pai responde perguntando: Estragaste tudo! E agora? Como pensas que paguei o teu curso de medicina? Pensas que foi com os ovos e cebolas com que os outros me pagam as consultas?

A crise é a carraça que está no corpo do Povo e lhe suga o sangue. Não se pode extrair senão acaba-se o pretexto usado para nos submeter às mais vis mentiras, à alienação dos direitos constitucionais e da própria Constituição de Abril. Ao fundo do túnel não há luz, mas sim um outro túnel para aqueles que, como nós, lá se encontram; e sol e ar puro para os que piedosamente nos vão informando que vamos andando porque já se vê a luz da salvação – luz de trevas a seguir às trevas.

E assim, ao longo de séculos, lá vão enviando os seus filhos para as melhores escolas do mundo, onde aprendem a não extrair a carraça e a anunciarem as trevas como se fossem luz de esperança. Por outro lado, nós e os nossos filhos vamos continuando de sacrifício em sacrifício contribuindo para suportar todo o seu fausto e benesses.

São as carreiras, escandalosa e vergonhosamente entupidas, os vencimentos congelados ou mesmo depreciados; são os direitos coarctados para dificultar expressões mais veementes do nosso descontentamento; é a Saúde Militar transformada em mais uma oportunidade de negócio para garantir a luz e o sol aos mesmos de sempre; são os complementos de pensão e os suplementos de risco esbulhados; é o futuro dos mais jovens gravemente comprometido sem hipóteses de projectarem os mais modestos projectos de família, não obstante o facto de o País ter um índice demográfico negativo... Assim não vamos lá!

É preciso extrair a carraça da crise e falar dela sem preconceitos que só servem para nos levar à resignação e à aceitação das medidas, que anunciadas como de combate à crise, mais não fazem do que agravá-la, garantindo o futuro dos mesmos que enriquecem com o empobrecimento de milhões e comprometendo o nosso futuro e o dos nossos filhos.

A história ensina-nos que os povos só vencem as crises e avançam decididamente rumo ao futuro quando tomam os seus destinos em mão e os constroem. A terra e o mar continuam nos mesmos sítios à espera que os portugueses se decidam a elas retornar e a garantir a nossa soberania alimentar sem a qual nunca teremos a independência, mas sim a condenação à miséria subserviente, com ou sem FMI, com ou sem UE.

A Associação Nacional de Sargentos alerta para a necessidade de se romper sem preconceitos com este caminho de trevas e de crise a seguir à crise, como se fosse uma fatalidade.

A Associação Nacional de Sargentos apela a toda a Família Militar que se una em torno da

Condição Militar e defenda intransigentemente os escassos direitos que lhe assistem, “que retiremos de vez a carraça das nossas axilas”, na certeza de que só assim se garante o fim das crises e se alcança a almejada luz!

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D