Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Os reformados e as crises

 

A condição de reformado — de qualquer reformado — é de grande fragilidade, de grande insegurança, de tremenda dependência.

Esta afirmação parece não constituir novidade nenhuma, porque o comum dos meus leitores, provavelmente, pensa no reformado como aquele pobre cidadão que, não tendo mais nada para fazer e nada mais esperando da Vida, passa o seu tempo no banco do jardim ou em um qualquer centro de dia a ler o jornal ou, mais provavelmente, a jogar às cartas, de preferência à sueca.

Não. O meu reformado é esse e qualquer outro que vive de uma — e só de uma — pensão que lhe foi atribuída por força de muitos anos de trabalho para uma qualquer entidade, seja ela privada, pública ou estatal. O meu reformado tem mais de sessenta e cinco anos de idade e aufere um rendimento de acordo com os salários recebidos quando ainda era funcionário activo. O meu reformado é um homem ou mulher que se sente satisfeito por ter trabalhado e se acha no direito de receber, na velhice, a justa remuneração que está em concordância com o seu desempenho enquanto foi cidadão trabalhador. O meu reformado é um ser comum que se cruza connosco nos transportes públicos e que se movimenta com maior ou menor agilidade consoante a robustez e o desgaste físico a que a vida o submeteu.

É sobre esse reformado que o meu artigo de hoje vai tratar.

 

É sabido que, a traços muito largos, poderíamos dizer que a vida de um Homem se define em três tempos diferentes: a infância e juventude, a idade adulta e a velhice. Na primeira parte, ele é um ser dependente: dependente dos pais e da família, sendo um consumidor activo e um contribuinte passivo. Na segunda parte da vida, ele é, fundamentalmente, um contribuinte activo, por ser um trabalhador e dar o seu esforço para a economia colectiva, comprando, fabricando, vendendo, transportando produtos ou serviços que alimentam o mercado. Na terceira e última parte, ele, sendo um consumidor activo, passa, também, a ser um contribuinte passivo. Quer dizer, todos nós, ao longo de uma vida, só durante um período — em três — é que geramos riqueza; nos dois restantes limitamo-nos a consumir; no primeiro, porque nos estamos a preparar para ser geradores de riqueza e no último, porque já gerámos a riqueza que tínhamos de gerar.

 

Ora, cada vez que se abate sobre a sociedade uma crise económica — e, no caso português, estamos a vivê-la há já vários anos — o sentimento com que é sentida e olhada a dita crise pelos dois primeiros grupos que constituem os segmentos da vida do Homem é diferente daquele que é sentido pelo último.

Com efeito, no primeiro grupo, ainda não se tem a verdadeira noção da crise e, quando muito, sentem-se-lhe os efeitos; no segundo grupo, sentindo a crise, cada elemento pode encontrar a melhor maneira de reagir para atenuar ou fugir à mesma ou aos efeitos dela; mas, no terceiro grupo, porque os rendimentos se mantêm fixos e se perderam as capacidades de reacção, só resta a quem dele faz parte tentar sobreviver, tendo a certeza de que, quanto mais tempo a Vida lhe der vida, mais frágil e desamparado estará perante a possibilidade de, com dignidade, ir vivendo.

 

Olhada a existência do Homem desta maneira, poder-se-ia, então, dizer que subsistem três fases na vida humana: a da inocência da crise, a da reacção à crise e, por fim, a da incapacidade de resistência à crise. Assim, postas as coisas, desta forma, é mais fácil perceber a injustiça que a sociedade e os poderes constituídos cometem sobre quem contribuiu com uma vida activa para a sobrevivência da economia, talvez, até, para a sua expansão durante o tempo em que pertenceu à segunda fase da vida e está, no presente, inactivo. Ao reformado resta-lhe esperar pela degradação do seu poder de compra; se este for já muito baixo, resta-lhe desejar o fim da vida.

 

A pergunta que subjaz ao raciocínio exposto é, por muito cruel que ela seja, averiguar quais são os padrões morais e éticos pelos quais se regem os poderes públicos das sociedades onde impera o sistema de produção condicionado pelas leis do mercado. Que moral é a deste sistema económico que usa e deita fora todos quantos serviram para o sustentar e desenvolver? Que condena à insegurança aqueles que mais seguros deveriam estar?

 

Sejamos práticos. Não discutamos as ideologias e olhemos objectivamente para os resultados. Saibamos extrair as conclusões acertadas e tenhamos a coragem de optar por aquele caminho que busca a Justiça. E Justiça é atender às necessidades de quem já deu o seu contributo para o bem-estar de toda a sociedade. Justiça é dar melhor condição de vida a quem já só tem viver como limite. Comecemos pelo fim, mas comecemos… Cruzar os braços ou lutar pelos nossos pequenos egoísmos é tornarmo-nos cúmplices do sistema.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D