Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Eles estavam lá...

 

 
Hoje, na igreja de S. Domingos de Benfica, eles estavam lá! Não estavam todos, só dois que, provavelmente, foram convidados. São figuras menores da panóplia dos políticos possíveis de estarem presentes.
 
Se calhar foram convidados… Não se impuseram. Foram buscá-los como se eles fizessem falta na cerimónia religiosa e militar que ali teve lugar.
 
Porque será que há sempre alguém que sente necessidade de convidar para nossa casa os indesejáveis? É assim qualquer coisa como se eu, no dia do meu aniversário, tivesse de convidar para estar comigo, em minha casa, com a minha família, o ministro das Finanças ou, em alternativa, o director da Caixa Geral de Aposentações, só porque são eles quem me paga, ou manda pagar, a pensão no final do mês! Não faz sentido! Ou melhor… até, se calhar faz todo o sentido quando não se tem bem claro no espírito que o aniversário é o nosso e a casa é a nossa! Quando se julga que, afinal, temos uma casa, porque a devemos ao ministro que nos manda pagar a pensão a que temos direito, faz todo o sentido que o convidemos para as nossas cerimónias sejam elas de alegria ou de tristeza.
Não chamo a isto delicadeza, nem sentido da diplomacia; chamo falta de sentido de pertença, porque, na verdade, eu só convido para minha casa aqueles que sinto pertencerem ao meu círculo de amigos, ao meu naipe de íntimos.
 
Eles estavam lá, hoje de manhã, quando o templo de S. Domingos de Benfica foi pequeno para todos os antigos combatentes, especialmente pára-quedistas. Eles estavam lá, e não deviam lá ter estado, por isso, fizeram só número, enquanto nós recordávamos a nossa juventude e o esforço que nos foi pedido numa guerra que não quisemos, mas na qual cumprimos tanto quanto nos exigiram e em nós cabia.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D