Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

As nacionalizações de 1975

                                              

 

Há dias o comentador económico Francisco Sarsfield Cabral, no Diário de Notícias, abordou o problema das nacionalizações de empresas, em Portugal, na sequência do «11 de Março de 1975». Mais uma vez, trouxe à baila, como justificação da atitude adoptada pelo Governo da época, o papão do comunismo e do avanço para a socialização imaginada pelo comité central do Partido Comunista Português. Na minha opinião, é um argumento estafado, que ganhou foros de cidadania na História de Portugal. Vejamos dos motivos da minha discordância. prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Em primeiro lugar, temos de ter consciência que a estrutura económica nacional, na época, assentava no poder de meia dúzia de grupos financeiros, dominando o mercado interno. Esses potentados, ainda que, alguns, contestando a rigidez imposta pelo Estado Novo, por lhes limitar os desejos de expansão, viam na democracia nascente um adversário de peso, porque iria permitir a livre contestação dos salários pagos, dos horários e dos abusos de toda a natureza que eram praticados contra os trabalhadores. Deste modo, a democracia plena e absoluta, conforme a imaginaram os ideólogos do Movimento das Forças Armadas (MFA) estava comprometida e ferida gravemente. Os grandes interesses financeiros tudo fariam para animar partidos políticos virtualmente democratas que retardassem, ou mesmo impedissem, a democratização. Um só processo parecia viável para garantir o alcance dos objectivos mais puros e mais sinceros dos militares de Abril: «quebrar» a espinha dorsal de um sistema poderoso e obstaculizante. Foi esse o motivo pelo qual desde o extinto partido MDP/CDE ao PPD, passando pelo PS e, naturalmente, pelo PCP todos estiveram de acordo com a nacionalização da banca e das companhias de seguro, facto que, em sim, arrastou à nacionalização de muitas empresas onde Bancos e Seguradoras tinham posição maioritária ou mesmo maioria absoluta do capital. Sem qualquer dúvida, neste ponto havia concordância entre o programa do PCP e as forças democráticas, mas daí a dizer que o projecto era exclusivo dos comunistas vai uma imensa distância.

Quem estudar a História de Portugal com a capacidade para compreender imparcialmente os diversos períodos de crise grave que nela tiveram relevo, verifica como, em vários momentos, as forças representativas do progresso se viram forçadas a «nacionalizar» o poder material das forças reaccionárias. Isso aconteceu — e nós agradecemos que tenha ocorrido — em 1383-1385, quando D. João, Mestre da Ordem Militar de Avis, Defensor e Regedor do reino de Portugal, mandou que se confiscassem os bens dos nobres que se haviam bandeado com o rei D. Juan i de Castela, pretendente ao trono; voltou a ocorrer quando, em 1834, finalmente saiu vitorioso o regime liberal e decretou a expulsão das ordens religiosas e o confisco de todos os seus bens, já que, então, eram os frades aqueles que mais combatiam as novas ideias e contra elas mobilizavam a opinião ignara das populações rurais e até urbanas; aconteceu, de novo, embora em menor escala, quando a República se implantou entre nós e outra vez se teve de atacar a Igreja por ela, repetindo as práticas obscurantistas do passado, ser o pilar reactivo onde se escoravam os projectos de derrube do novel regime. Como se vê, sempre teve de ser assim!

É pena que, em muitos casos, a ignorância da História dite tomadas de posição pouco esclarecidas, mas é bem pior quando, conhecedores de História pátria, por simples oposição e receio de uma ideologia já hoje a viver o estertor de uma morte anunciada desde a queda do mundo comunista, exploram sentimentos sem sentido e os deixam abrir caminho na imaginação de quem não viveu ou não teve consciência plena dos acontecimentos de há trinta e um anos, em Portugal.

Sarsfield Cabral é um comentarista bom demais para que tenha de recorrer a argumentos tão pequeninos e insignificantes.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D