Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Mais proibições... Que vantagem?

Agora foi o Governador Civil de Lisboa quem proibiu uma reunião de militares! E, segundo os órgãos de comunicação social, proibiu de acordo com as chefias castrenses para evitar quebras de disciplina.


Está perfeitamente claro o erro cometido ao mandar proceder disciplinarmente contra militares fardados que, em determinada altura, passaram por um ajuntamento de camaradas seus, trajando à paisana por serem reservistas ou reformados, nas proximidades da residência oficial do primeiro ministro.


Está errado, porque se vai permitir empolar uma questão que poderia passar despercebida, até por não ter interferido, de facto, com a disciplina nas unidades a que estes militares pertencem.


Para um militar, na efectividade de serviço, andar fardado ou à paisana na via pública, quando não está no desempenho de uma missão oficial, é uma opção do próprio não prevista nos regulamentos éticos. O terem passado por determinado local e ali se manterem a conversar com outras pessoas não constitui motivo para sanção disciplinar. Só pode, realmente, constituir razão para isso em gente que ainda não se desfez da mentalidade herdada do tempo em que era proibido um ajuntamento de mais de três pessoas, na rua!


Não seria uma prova de sensatez «fazer vista grossa» ao contrário de tentarem o braço de ferro?


Não se trata de um mero artifício de retórica o ter deixado a pergunta sem resposta. Não. É propositadamente para dar entrada ao que abaixo vou deixar dito.


Ontem, na Internet, ao consultar uma notícia no Correio da Manhã, sobre a cedência de um subsídio de 20.000 euros por parte do Ministério da Defesa à Fundação Mário Soares (e não me interessa, agora, entrar pela discussão deste tema!) topei com um comentário de alguém que assinava «Zé Magala», do Barreiro, e que passo a transcrever: «O que este País está a precisar é duns "SARGENTOS DE ABRIL", pois os capitães já se serviram e acomodaram com estes SOCIALISTAS DO CAPITAL. UMA VERGONHA SEM PAR, PIOR QUE EM ANGOLA!». Para não haver dúvidas, aqui fica o endereço de acesso:


http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=180505&idCanal=181


Não comento. Cada um faça o juízo que entender. Mas isto quer dizer coisas.


Há muitos anos, afirmava um amigo meu: — Nunca há só um teimoso... para haver um, tem de haver, pelo menos, outro.


O ónus da indisciplina cabe a quem? Moralmente, quem está a fomentá-la?


Alguns dirão: — Não se pode ceder a chantagens.


Mas qual chantagem? Se manifestar desacordo e reclamar por melhor ponderação de uma atitude tomada, talvez, sem a cautelosa medida das consequências, é chantagem, então vivemos num país de chantagistas, talvez mesmo num continente ou num mundo onde a chantagem é a palavra de ordem.


Deixo no ar só mais uma pergunta:


— Não é tempo dos Senhores Chefes dos Estados-Maiores (se for verdade a afirmação veiculada pelos jornais!) e do Senhor ministro Luís Amado perceberem que o vinagre serve, especialmente, para temperar a salada?

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D