Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

Aqui fala-se de militares, de Pátria, de Serviço Nacional, de abnegação e sacrifício. Fala-se, também, de política, porque o Homem é um ser político por ser social e superior. Fala-se de dignidade, de correcção, de Força, de Beleza e Sabedoria

2013 -2014

 

Esta coisa de ter a História sempre presente, embora sabendo que é irrepetível, leva-nos a perceber, no entanto, que ela é o “laboratório da Vida”, pois, “juntando” certos “ingredientes”, é natural que os “resultados”, não sendo iguais, se assemelhem. E é por causa dessa tendência social, dessa quase inevitabilidade, que hoje, no último dia do ano, vos venho aqui incomodar. Incomodar, preferencialmente, a consciência.

 

A Europa, esse continente sem características de tal, essa União onde todos andam arredios do entendimento, esse espaço que se queria de abastança e onde hoje coabitam a riqueza e a miséria, a Europa, dizia, enquanto unidade política, está moribunda. E nem outra coisa se poderia esperar! Há cem anos, faz em Agosto, ficou demonstrado que aqui imperam os maiores e mais poderosos desestabilizadores da ordem mundial. Há setenta e cinco anos, faz em Setembro, de novo se provou que era aqui que as mais ferozes calamidades artificiais eram capazes de se gerar, virando em morticínios impensáveis. A Europa é o continente dos desentendimentos, das separações, porque nasceu sob o signo de uma unidade forçada e dela se desprendeu à custa de lutas. Lutas de interesses, mas, também, lutas de modos de viver diferentes. O que Roma uniu, separou a vontade dos senhores da guerra, da terra e da cultura. E esse é o berço da Europa! Negar esse berço é contra-cultura! O Sul é diferente do Norte! E se alguma vez foi semelhante, foi-o somente, porque à Roma imperial se sobrepôs e a Roma espiritual, que tentou, através de uma religião, manter unido o que é diferente, porque assim o impõe a Natureza, a Geografia e, até, a Climatologia.

A Europa das nações não é uma invenção do século XIX, como o pretende Eric Hobsbawm. As nações pré-existiram ao conceito e ele só se definiu porque a realidade se lhe impôs. Era inevitável que assim fosse. E a primeira da todas as “revoltas” contra a “união” da Europa – a tal união espiritual que Roma continuou depois da Roma imperial ter caído – foi a protestante, a reformista, a de Lutero e Calvino. Não era só uma revolta contra uma prática religiosa; foi, acima de tudo, uma revolta de natureza cultural, uma revolta ditada pela consciência dos povos, pelas suas diferenças, pelas suas idiossincrasias.

 

O ano de 2014 vai entrar e com ele transporta o germe da separação, da derrocada de uma Europa de união. Os povos do Sul só estão à espera do “seu” Lutero e do “seu” Calvino que os leve ao protestantismo político, à consciência da diferença, da incompatibilidade com doutrinas que nada têm de comum com a sua prática meridional. Que os leve à consciência de que Berlim não pode ser a Roma do século vinte e um e, muito menos, a da primeira metade do milénio que agora está em começo.

Em 2014, prevejo, porque pressinto, vão cavar-se os fossos da diferença e da revolta e a na área de instabilidade também vai estar Portugal; de modo mais modesto, mas vai estar!

A mudança não nos vai trazer a paz e a tranquilidade, mas vai contribuir para a reafirmação da nossa personalidade enquanto Povo.

Sejamos dignos da mudança! Sejamos capazes de a suportar! Sejamos, uma vez mais, dos primeiros a mostrar que o Povo é quem mais ordena! E ordena, porque é nele que mora a estrutura primeira da Nação, da Cultura, da Diferença.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D