Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo



Quinta-feira, 28.05.15

Agradecer ou não?

Há dias, um aluno meu, colocou-me a questão de saber se devia fazer agradecimentos na página a isso destinada na sua dissertação de mestrado ou, pura e simplesmente, não reconhecer dívida de espécie alguma a quem quer que seja.

Não tive relutância em responder-lhe: não só devia fazê-lo como era de bom tom que o fizesse.

- Mas, replicou ele, não basta agradecer ao orientador, que, em boa verdade, é a pessoa a quem mais devo na execução do meu trabalho?

Fiz-lhe ver que agradecer exclusivamente ao orientador, de forma expressa ou não, era um acto de indelicadeza para com todos quantos, directa ou indirectamente, contribuíram para que o trabalho dele se tornasse uma realidade. É que ninguém, além de morrer, faz nada sozinho, pois há sempre alguém a quem agradecer condições criadas para que se realize um sonho ou uma necessidade nossa. Não pensar assim é um acto de egoísmo. Mais, de soberba intelectual, pois, por muito pouco que alguém contribua para o nosso trabalho, esse pouco, em certas circunstâncias, pode ser muito ou mesmo tudo.

O meu aluno ficou convencido, mas remoeu que teria de dar voltas à cabeça para encontrar a quem agradecer.

Estou com pena dele! Pena de mistura com algum desprezo, pois, quem assim procede, não merece graus académicos, os quais devem começar por constituir um acto de humildade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 17:41



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31