Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Sexta-feira, 09.12.05

Associativismo Militar

Assembleia da AOFA.jpg


 


 


De vez em quando ainda me chegam aos ouvidos as recriminações de camaradas que estiveram desde a fundação com o movimento associativo militar. Queixam-se de verem, agora, na primeira linha desse mesmo associativismo alguns outros camaradas que, há anos, ainda os acusavam de posicionamentos errados.


Compreendo o desgosto dos pioneiros, a sua mágoa, mas fico a pensar que a verdade e a boa razão vêm sempre ao cimo tal como a gota de azeite. Felizmente, hoje podemos contar com os relutantes e críticos de ontem. Isso quer dizer que estávamos na boa e na correcta posição. Mas também quer dizer que tais camaradas são pessoas de bem, porque, ao contrário de se entrincheirarem na sua falsa luta, foram capazes de mudar e vir ao nosso encontro. Façamos uma grande festa para nos regozijarmos com a adesão desses nossos amigos.


Claro que compreendo os motivos das relutâncias associativas do passado. Basta pensarmos que é mais fácil fazer uma revolução política do que uma revolução das mentalidades. Estas evoluem muito mais lentamente.


A minha geração nasceu e cresceu dentro dos princípios do conservadorismo ditatorial do Estado Novo, cujo visceral inimigo era o comunismo. Fomos criados — em especial os «meninos das cidades» — no respeito «aos nossos chefes, nossos pais» (para recordar o verso de um dos hinos da malfadada Mocidade Portuguesa). Incutiram-nos valores quanto a certos comportamentos que, ainda hoje, 31 anos depois de termos conquistado a liberdade, sub-repticiamente, se vêm instalar no nosso espírito, condicionando-nos certos comportamentos.


O conceito de militar, patriota, livre para todos os trabalhos, pronto para servir sem recompensa foi repescado pelos ideólogos do Estado Novo, na exaltação de um nacionalismo inebriante, de concepções ligadas à obediência cega à vontade real, própria do fim da Idade Média e do começo da Idade Moderna. O nobre e cavaleiro que se prezava estava sempre disponível para o serviço do seu rei — isto diz-se em alguns compêndios de História, esquecendo de acrescentar que «tanta disponibilidade» esperava pingues recompensas da fazenda real. Foi assim que, por essa Europa fora, se construíram grandes casas nobres!


Curiosamente, durante a vigência do Estado Novo, dizia-se dos militares que eles viviam da e na «miséria dourada» — o que era um facto —, mas, por outro lado, às Forças Armadas e seus elementos foram dadas — em especial no tempo de Salazar — certas pequenas regalias que, de forma canhestra e transversal, vinham compensar quase tudo o mais. Depois, havia, de facto, os «barões» militares que, servindo o regime, sabiam servir-se ou eram por ele bem recompensados. Existia neste sistema algo de semelhante ao quadro medievo que antes referi. Mais uma vez, a minha geração militar foi educada ainda dentro destes princípios, embora nós, os de entrada nas fileiras a partir de 1960, tenhamos começado a fugir ao figurino que nos impunham, por isso fomos os que arriscámos fazer a Revolução.


Os tempos mudaram e, se se mantém como verdade inalterável todo o patriotismo, todo o espírito de sacrifício, toda a disponibilidade para servir as causas que superiormente servem o interesse nacional, também é verdade que já não estamos dispostos a viver das mercês de um poder político que, afinal, o é por vontade de todos os Portugueses, para servir os Portugueses. Assim, justificam-se as associações militares como parceiros de diálogo com o Governo, mas, também e talvez até mais, com as chefias militares — que, infelizmente, teimam em olvidar o importante papel do associativismo castrense como veículo dos anseios de todos os militares (daqueles por quem os chefes são responsáveis e dos que já não têm chefes).


Só um certo estrabismo mental leva a não perceber que as associações castrenses, ao contrário de serem elementos de instabilidade, são instrumentos de estabilidade, porque, a alternativa à contestação ordeira foi e é, desde os tempos de Roma até à actualidade, a revolta militar.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 20:54


2 comentários

De Anónimo a 10.12.2005 às 18:49

Nos dias "festivos", quando existem cerimónias militares tipo juramento de bandeira, dia da Unidade ou Rendição de Comando, os militares comem todos juntos e não é por isso que a disciplina ou o respeito ficam afectados. Do mesmo modo, reuniões esporádicas com as Associações, não trariam nada de mau, antes pelo contrário, reforçariam a tão falada coesãoCamoesas
</a>
(mailto:camoesas@yahoo.com)

De Anónimo a 10.12.2005 às 18:34

O Associativismo, militar neste caso, é uma batata quente. Se bem que por um lado esteja previsto em Lei e em Lei também esteja escrito que as associações devem pelo legislador "Ser ouvidas sobre as questões do estatuto profissional, remuneratório e social dos seus associados" (o que sabemos que vem sempre escrito no texto das Leis e Decretos, que foram ouvidas, mas que também sabemos ser uma "inverdade")... Por outro lado, aínda existe um certo "incómodo" por parte das chefias, em aceitar esse facto legal e essa "parceria" para com mais voz dialogar com os governantes. Está enraizado, é secular e tradicional, existir uma certa separação de águas quando nelas navegam navios de grande calado, jangadas e barcos a remos, algo como a separação dos refeitórios e alojamentos, cada um no seu lugar; Oficiais, Sargentos e Praças, "como na tropa"! Só quando todos têm que comer ração de combate "no meio do mato",sem dormir e sem tomar banho, o cheiro fica semelhante, aí, são todos homens e apenas isso.Camoesas
</a>
(mailto:camoesas@yahoo.com)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2005

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031