Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Sexta-feira, 08.05.09

Alves Reis uma figura do nosso tempo

 

 
Artur Virgílio Alves Reis nasceu, em Lisboa, no ano de 1898. Na juventude ambicionava ser engenheiro, mas o pequeno negócio de cangalheiro que o pai possuía tornou-se menos rentável e os seus sonhos foram por água abaixo. Um dia, em Sintra, no cartório do notário Benjamim Neves, conseguiu que este lhe fizesse uma pública forma de um diploma por ele forjado que o habilitava com um curso de engenharia de uma faculdade que não existia na Universidade de Oxford. Destruiu o original do diploma e passou a usar a pública forma para fazer prevalecer a sua condição de engenheiro, reconhecido pelo Ministério da Instrução Pública de Portugal como equivalente a um curso que tivesse sido frequentado no nosso país. Assim, com apenas pouco mais de 18 anos de idade, estava a candidatar-se a cargos de engenharia para as colónias, nomeadamente para Angola. Não lhe foi, no respectivo Ministério, reconhecida a condição de engenheiro civil, mas, dada a falta de engenheiros, contratou-se Alves Reis para um cargo equivalente. Seria «técnico de engenharia». Era um engenheiro que não era engenheiro, como, aliás, em Portugal, muitos anos mais tarde, passou a haver alguns!
Independentemente da falsificação dos documentos que lhe abriram as portas da colónia de Angola o certo é que ele mostrou competência nos diferentes cargos para que foi, provisoriamente, sendo nomeado. O Governador-Geral chegou mesmo a nomeá-lo, a título definitivo, para o alto cargo de «engenheiro director das obras públicas» da, então, província; não podia, porque não tinha a equivalência a engenheiro civil formado por qualquer das diferentes escolas de engenharia nacionais! Contudo, as suas proezas nas ousadas decisões que foi tomando deram-lhe crédito e credibilidade… Na terra de cegos quem diz que tem um olho é rei!
 
Regressado a Lisboa, entrou pelo mundo dos negócios e, onde se lhe fechava uma porta por causa da legalidade de então, ele escancarava outra através de uma falsificação, uma burla, uma solução menos recomendável, mas quase sempre não imediatamente detectável. Era um homem d’avant-garde, isto é, era um homem do final do século XX ou, melhor dizendo, um homem do começo do século XXI, cheio de iniciativas. Só que as suas iniciativas ainda não tinham respaldo nos “mecanismos” sociais, políticos e económicos do seu tempo! Dir-se-ia, usando a língua de Churchill, estava fora do seu timing.
Alves Reis, para resolver um problema de financiamento de importações e exportações de Angola, para lá explorar uma mina, conseguiu dar o golpe de mestre: fundou um banco com recurso à emissão de uma série de notas de quinhentos escudos, perfeitamente verdadeiras, fabricadas no local onde se fabricavam as que o Estado mandava fazer. Ele teve de falsificar os documentos de encomenda, sobrepondo-se ao Estado português! E os negócios prosperaram de imediato e com grande fulgor.
Claro que a falcatrua foi descoberta quando as autoridades competentes mandaram fazer uma nova emissão de notas do mesmo valor e da mesma série. O banco foi, de imediato, à falência e Alves Reis e os seus cúmplices tiveram de responder pela negociata que, de errado, só teve, como já disse, a falta de oportunidade temporal… Se fosse hoje, o Banco Angola e Metrópole teria sido nacionalizado, Alves Reis teria respondido perante uma comissão parlamentar, poderia, eventualmente, ser preso, mas, garantidamente, com as delongas da Justiça, nunca chegaria a dar entrada na penitenciária, como lhe aconteceu para cumprir oito anos de prisão maior celular, seguidos de doze anos de degredo. Foi posto em liberdade em 1945 e veio a morrer dez anos mais tarde.
Cometeu as irregularidades criminais no tempo da democracia e foi condenado no tempo da ditadura. Afinal, Alves Reis viveu fora de época… Bastava-lhe ter nascido setenta anos mais tarde e teria tido à sua disposição outros mecanismos de apoio à fraude: offshores, empresas falidas, paraísos fiscais, fundos comunitários e outras oportunidades que os entendidos conhecem bem. Há, todavia, uma realidade que se mostra inalterável: Portugal é, em todos os tempos, só por si, um paraíso para os vigaristas!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 17:20


6 comentários

De Fernando Vouga a 08.05.2009 às 18:24

Caro Alves de Fraga

Impecável! Comentário para quê? Está tudo dito e da melçhor forma.

Um grande abraço de parabéns.

De Pica-Miolos II a 10.05.2009 às 02:23

Senhor Professor Doutor

Nunca fui de crendices, mas, após a leitura deste seu texto, acredito,piamente, na reencarnação.

De Zéfoz a 10.05.2009 às 13:01

Excelente metáfora.
Apesar de tudo entendo que o reencarnado de que fala Pica Miolos está muito longe da craveira de Alves dos Reis.
Creio que ,em alguns aspectos, a Justiça da "dita dura", faz muita falta!...

De Liliana a 18.05.2009 às 17:23

Olá!

Parece-me evidente, que cada vez é mais verdade aquela máxima de Hermes "o que está em baixo é como o que está em cima"...
A semana passada, um cliente pedia-me que fizesse um milagre de um acabamento para o trabalho seguir para a China no dia seguinte de manhã.
A tinta de impressão fresca, com pó para evitar sujar, eu teria que fazer uma colagem cujo tempo de secagem levaria 24h antes do trabalho poder ser dobrado e vincado...como podia eu fazer?
Disse ao meu cliente que compreendia como todos se queixavam das trafulhices dos governantes ,mas que todos se esqueciam das pequenas trafulhices que no dia a dia se fazem à nossa frente, até nas mais pequenas coisas...
Tentemos todos fazer melhor e bem.


Um abraço

De Vitor Pardal a 25.05.2009 às 11:05

Mestre Fraga. Fui seu aluno na primeira fase do mestrado de Direito na Autónoma e, apesar de desde há muito apreciar a sua maneira independente de pensar e a forte coluna vertebral em que apoia todos os seus princípios de vida, não quis manifestá-lo antes de terminar as aulas, por uma questão de ética.
Continuo a investigação da dissertação de mestrado aqui no Kosovo onde, a par do meu blog (acima referenciado) continuo a acompanhar o seu. Continue a postar porque é sempre um prazer lê-lo.

De Jofre Monteiro Alves a 30.05.2009 às 01:08

Alves dos Reis foi umas das figuras que mais povoou a minha infância e atraiu desde a adolescência a minha atenção. Lembro-me de ir às famosas carrinhas itinerantes da Fundação Calouste Gulbenbian, naquela já longínqua década de 1960 e requisitar lá um livro de Libânio da Silva sobre o Caso Angola Metrópole. Assim nasceu, para mim, um mito nacional, com uma riqueza de pormenores espantosos: a forjar o diploma de engenharia por Oxford; aquela paixão que ele desenvolveu por Angola; a nomeação para director dos Caminhos de Ferro de Angola; a história lendária da construção duma ponte que todos juravam iria cair; o Caso Ambaca; os irmãos Bandeira; Karel Marang; o forjar do contrato; as idas a Londres; a famosa carta de Inocêncio Camacho; o Banco Angola e Metrópole; as famosas notas, etc., e tudo, tudo. A diferença com os dias cinzentos de hoje estão bem expressas neste artigo notável, até em forma de metáfora. De qualquer forma, apesar de ele ter abalado a sociedade de então, prefiro o Artur Vergílio, o homem que transformou a verdade em sonho e o sonho em realidade, e que passou da glória à tragédia.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31