Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Sábado, 29.03.08

Diário de Notícias de dia 29 de Março de 2008

FAP processa reformado
MANUEL CARLOS FREIRE
Chefias responsabilizadas pelas filas para consultas no Hospital da Força Aérea
A Força Aérea Portuguesa (FAP) instaurou um processo disciplinar contra um coronel reformado do ramo, por críticas feitas às "longas filas" de militares que querem marcar consultas no Hospital do ramo.

A nota de culpa foi entregue quinta-feira a Luís Alves de Fraga, autor do blogue "Fio de Prumo", por aí ter responsabilizado (a 12 de Fevereiro) as chefias da FAP pelas filas que se formam à entrada do Hospital - visíveis nas fotos exibidas - por militares reformados. "As chefias responsáveis (...) já deviam ter tomado medidas contra tal estado de coisas", frisou o coronel, questionando-se depois se "não serão os Serviços do Estado-Maior da Força Aérea competentes para estudarem e resolverem o problema da marcação das consultas do Hospital".

Luís Fraga, professor na Universidade Autónoma de Lisboa, fez depois comparações com o passado: "A atitude das chefias [actuais] é diferente, porque não tendo coragem ou, tendo-a, não querem dar dela público manifesto, dão, assim, mostras de uma subserviência ao poder político que envergonha a tropa que comandam."

A nota de culpa da FAP declara que aquelas afirmações violam o Regulamento de Disciplina Militar (RDM) por ferirem a dignidade, a honra e o bom nome das chefias da FAP e, em particular, do seu chefe do Estado-Maior, serem atentatórias da coesão e disciplina na FAP e denotarem, ainda, falta de respeito por aqueles generais e pelos cargos que ocupam, revelou ao DN o advogado de Luís Fraga, Emanuel Pamplona.

"A nota de culpa e o processo disciplinar levantado contra um militar fora do serviço efectivo e há muito na situação de reforma, com fundamento nos motivos acima explicitados, é ofensiva dos mais elementares direitos constitucionais dos cidadãos e até do regime democrático", denunciou Emanuel Pamplona. Como "o militar na reforma não se encontra sujeito às restrições constitucionais relativas à liberdade de expressão", o advogado garantiu ao DN estar-se perante "um problema de liberdade de expressão", onde o recurso ao RDM pela FAP visa "humilhar publicamente alguém que pela sua verticalidade, coragem e saber merece a consideração de todos".

Quanto a haver "militares que se sentem ofendidos nos seus direitos pelo conteúdo do blogue, podem e devem recorrer aos meios comuns, nomeadamente tribunais que se encontram à disposição de todos os cidadãos", acrescentou o advogado.

A FAP "não se pronuncia sobre o conteúdo de processos disciplinares". Mas disse ao DN que "os militares na situação de reforma também estão abrangidos pelo RDM, ainda que existam diferenças de aplicação".

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 18:27


109 comentários

De Fernando Vouga a 29.03.2008 às 19:18

Meu caro Fraga

A eventual aplicação do RDM aos militares na reforma parece-me meramente teórica. Para lá do grotesco da situação.
O que é que pode fazer um Chefe militar se o "subordinado" optar pela resistência passiva? Quem é que o obriga a responder aos quesitos? Quem é que o obriga a apresentar-se no quartel? Quem é que obriga a assinar seja o que for? Quais as penas aplicáveis?
O Chefe de Estado-Maior da FA perdeu uma excelente oportunidade de estar quieto. Porque ninguém se calará por medo. A sua atitude só irá piorar as coisas.

De Fernando Vouga a 29.03.2008 às 23:59

Só mais uma achega

Este triste e lamentável episódio mostra bem o isolamento e a frustração em que vivem estes chefes militares. Como não têm poder para mais nada, tal é a sua submissão aos políticos, avançam com umas vingançazinhas. São mais dignos de dó do que de raiva. E nem sequer merece a pena dar importância ao caso.

De Manuel Machado Sá Marques a 29.03.2008 às 20:24

Um apertado abraço de solidariedade e afectuosas saudações!!
Manuel Machado Sá Marques

De rita sá marques a 29.03.2008 às 20:39

ddddd

De Anónimo a 29.03.2008 às 20:40

iiiii

De Bomfim a 29.03.2008 às 22:31

Precisamos de um rei a sério para restablecer a dignidade patria e os seus valores.

www.reifazdeconta.com

De Ferroada a 29.03.2008 às 23:03

Comandante Luís Fraga

Será que relatar o que vai mal nos serviços sociais das FAA, põe em causa a coesão e disciplina dos militares na reforma?
Pelo contrário.
Um abraço solidário.
Sargento na reforma
Carlos Rebola

De Manuel T. Sobral Bastos a 29.03.2008 às 23:34

Meu caro Fraga

Um grande abraço de solidariedade. Tive conhecimento através de um amigo que sabe que também sou da Força Aérea.
Cada vez há menos verticalidade naqueles que ocupam os poleiros.
M. Sobral Bastos
manuelsbastos@gmail.com

De antoniocmsilva@netcabp.pt a 30.03.2008 às 00:06

Caro camarada
Alertado pelos jornais, já li atentamente o que escreveu e dou-lhe conta da vergonha que sinto ao vê-lo interpelado por quem devia antes preocupar-se em exercer o comando corrigindo e melhorando o funcionamento de serviços pelos quais é responsável.
Manifesto-lhe por isso a minha solidariedade e a disponibilidade para o ajudar a enfrentar esta lamentável reedição de tempos que julgava, idos.

António Carlos Morais da Silva
Cor. Artª

P.S. Faça o favor de publicar ou enviar-me a nota de culpa.

De Cor. Manuel Amaro Bernardo a 30.03.2008 às 02:37

Processo disciplinar
:"um problema de liberdade de expressão"
Processo disciplinar ao Cor. Alves Fraga

Considero não ter cabimento que a FAP mande instaurar um processo disciplinar a um militar na reforma, pois ele procedeu como qualquer cidadão, sem qualquer ligação hierárquica a essa instituição e no pleno uso dos seus direitos constitucionais.

Também não encontrei qualquer motivo para ser acusado de um crime de difamação em Tribunal apenas por ter considerado como corajoso o CEMFA, General Lemos Ferreira, em 1978/79 e menos corajoso o General Luís Araújo, actual CEMFA.

Assim, apesar das nossas diferenças ideológicas, patentes nas polémicas que tivemos (julgo que também neste site), disponibilizo-me para ser sua testemunha se ele e o seu advogado, Dr. Pamplona (que me conhece por temos trabalhado nos Tribunais Militares, ele defensor oficioso e eu juiz militar), assim o considerarem de interesse para o processo. Continuo a morar na mesma residência e o n.º do meu tel. fixo vem na lista telefónica.

Cor. Manuel Bernardo

PS: Peço que faça chegar este texto ao blogue "Fio de Prumo" do Cor. Alves Fraga.

Do Portugalclub:

Caro Cor. Manuel Bernardo, o Sr Cor Luís Alves de Fraga recebe pontualmente a lista do Portugalclub, assim receberá esta mensagem sua. Casimiro

De Anónimo a 30.03.2008 às 02:53

Eu pasmo com o que acabo de ler! Será possível que quase 34 anos após o 25 de Abril , haja um Chefe de Estado-Maior, neste caso da FA, que reaja deste modo contra um MILITAR REFORMADO? Mas em que país está o Sr Gen. Araújo? Ameaçar um reformado com o RDM é a coisa mais ridícula que se possa imaginar! Será que os chefes militares, além de andarem de cócoras em relação aos políticos que os escolhem , perderam a sanidade mental? Pobre País o nosso...
Sr. coronel: não desista. E use o seu blog para defender os militares já que quem o devia fazer se entretém a atacá-los.

Comentar post


Pág. 1/9



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2008

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031