Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Quinta-feira, 27.12.07

Quando todos são, ninguém é

 
Não tenho a certeza sobre a veracidade da história, mas conta-se que depois de uma qualquer batalha conduzida por Garibaldi, durante o processo de unificação da Itália, ele, satisfeito com o brilhante resultado conseguido, terá dado, como recompensa, a todos os soldados o título de marquês. Não seriam muitos, mas foi o suficiente para inflacionar o grau da nobreza da península itálica. Não conta a História se o fez, porque, sendo republicano, queria desacreditar a monarquia e os seus títulos nobiliárquicos, contudo, o efeito prático foi, sem dúvida, esse.
 
Em Portugal, país pequeno, e fortemente hierarquizado do ponto de vista social, no qual, até há cem atrás, possuir mais um, dois ou três hectares de terreno de lavoura podia fazer a diferença entre ser-se considerado pobre, remediado ou rico, conforme os distritos do continente ou dos arquipélagos adjacentes, ter-se um vencimento fixo e pago pelo Estado dava estatuto económico, num país assim, ser-se detentor de um diploma universitário quando só existia uma Universidade, era como desfrutar de um título de nobreza ainda que de pequeno escalão. Bacharel ou doutor era ter um passaporte para um bom casamento, um cargo aceitável e um rendimento que tirava da mediania. E se fosse médico ou advogado, isso, então, era certo e sabido que se tinha passagem garantida para a fortuna na meia-idade. E tudo foi assim, ou quase, até aos últimos anos da ditadura.
 
Com a democracia e a liberdade, há trinta e três anos, surgiu o ensejo de Universidades privadas se implantarem, outras estatais foram criadas nas capitais de distrito, os institutos politécnicos proliferaram e, quase de um dia para o outro, Portugal encheu-se de bacharéis, licenciados, engenheiros, mestres e muitos doutores. Foi absoluta a inflação de diplomados: os enfermeiros passaram a ser, também, licenciados, os técnicos analistas, os publicitários, os jornalistas, os professores primários e os educadores de infância todos têm, agora, um grau universitário. Assim, ficou-se em Portugal, como na Itália de Garibaldi, com muitos milhares de Dr.s tantos que até já se chama Dr. a quem não tem qualquer diploma universitário, porque, na dúvida, mais vale errar por excesso do que por defeito.
Tantos Dr.s feitos de qualquer maneira lembram-me a nova nobreza dos tempos da falida Monarquia que vendia títulos de barão e visconde a todo aquele antigo armazenista ou brasileiro de torna viagem que dispusesse de cabedais suficientes para comprar a nobilitação. E tal foi a ânsia dos monarcas em arrecadar o ouro, que se trocava por um brasão, que surgiu a frase ainda hoje conhecida: «foge cão que te fazem barão! Para onde se me fazem visconde?!». Para onde hão-de fugir todos os que não tendo cursado a Universidade são doutores à força por vontade de uns quantos?
 
Pois é! Os únicos que deveriam ficar imunes a este desejo de doutorice eram os oficiais das Forças Armadas. Para eles chegaria o posto para os distinguir de todos os cidadãos! Bastava que pusessem, com atenção, os olhos na estátua, por exemplo, do duque de Saldanha, em Lisboa. Se o fizessem veriam que, antecedendo o título, lá está a graduação militar daquele oficial liberal: Marechal duque de Saldanha e não Duque marechal de Saldanha. E está da primeira forma por um motivo assaz simples: duque, qualquer um podia ser, bastando para isso que o rei o dispusesse, mas para alcançar a graduação de marechal tinha de se começar por ser, por vontade própria, soldado e ir conquistando os postos, um após outro, através de provas que se prestavam. Provas que não eram, nem são, simples! Pois são dadas todos os dias e avaliadas em cada hora!
 
Estou perfeitamente à vontade para criticar a instituição militar, porque só me falta um grau académico para os ter todos, mas dou e continuo a dar maior importância ao facto de ser coronel, porque essa graduação é o resultado de uma vida oferecida ao serviço da Pátria. Oferecida, porque o dinheiro que recebi em cada mês não chegou, nem chega, para pagar a disponibilidade que a minha escolha implicou. Porque, sendo militar — e militar sê-lo-ei até à morte — tenho direito a ter sobre o ataúde onde repousarei, até que o fogo do crematório desfaça o meu corpo em pó, a ter, sobre o ataúde, dizia, a bandeira de Portugal. E terei honras militares — que não dispenso — à entrada do cemitério.
 
Assim, não compreendo a necessidade de um oficial das Forças Armadas ter de ser licenciado e mestre e, até, doutor por disposição do próprio estatuto. E não compreendo, porque num país onde todos são Dr.s já ninguém o deveria ser; bastaria a simples identificação de Senhor. Contudo, na minha opinião, com os militares não pode nem deve ser assim, porque nós, por sermos poucos, vamos sê-lo até à morte! Essa é a nossa superioridade. Essa é a nossa honra. Essa é a nossa distinção. Ser Dr. para quê?!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 09:07


4 comentários

De Zé Tavares a 29.12.2007 às 12:02

Ex.mo Sr. Coronel
Ainda do sou do tempo em que aos oficiais superiores era devido o tratamento de V.Ex.ª. Daí a minha fórmula de tratamento. E para começar devo dizer que mais uma vez estou de acordo com o sr. Contudo quero escrever o que penso sobre o tema do blog já que não tenho o privilégio de o discutir frente a frente como seria meu desejo. As carreiras militar e académica são coisas distintas. Uma tem os seus graus a outra tem a suas patentes.Numa ascende-se através de provas, trabalhos publicados, dissertações, submetidos a júris etc. A carreira militar exige cursos de formação, qualificação, desmpenho de funções inerentes ao repectivo posto, estágios, tirocinios e tudo isto vai fazendo um currícuo que depois de apreciado se é promovido por escolha ou se é ultrapassado.Pelo menos em teoria assim é.Daí não ver qualquer significado do Dr. em termos militares. Marcelo Caetano, de quem o sr. não gosta,mas era um grande académico com vasta obra publicada e ainda hoje citado nas faculdades, dizia que em Portugal havia muitos doutores mas... poucos valores. E sobre os militares referia que havia muitos generais mas quando necessário nomear um para determinadas funções dificilmente encontrava alguém que correspondesse ao perfil desejado.Ser militar é uma profissão com caracteristicas próprias que não tem necessidade de ir buscar títulos que nada acrecentam á sua condição. Acho muito bem que quem se quizer valorizar e se tiver oportunidade para o fazer que obtenha graus académicos. Se com isso melhorar o desmpenho da sua função militar ,tanto melhor.Mas que esses atributos não sivam para disfarçar porventura as suas incapacidades militares e assim beneficiando de pontos nas FAI e ultrapassar camaradas mais aptos tecnicamente.Falar-se de licenciatura em ciências militares... deculpe, mas parece-me no mínimo piroso. Quais são as ciências militares? Para terminar recordo que durante a guerra de África quando havia 1ºSarg graduados em capitães e furrieis graduados em alferes e médicos civis graduados em TCor,que me lembre nunca ninguém perguntou se havia licenciaturas militares. Colin Powell que nunca frequentou uma academia militar e brinaca com o facto de ter subido no Exército sem jogar bridge, ténis ou golfe, o que seria neste País de Drs?Fico-me por aqui,embora tivesse mais para expôr. Cumprimentos a V.Ex.ª.Zé Tavares

De Luís Alves de Fraga a 29.12.2007 às 19:41

Exmo. Senhor Zé Tavares,
Também não posso estar mais de acordo consigo, até quando refere a minha pouca simpatia por Marcelo Caetano – o que não me impede de lhe reconhecer o valor académico e, até talvez, o acerto da opinião que lhe atribui.

Fui Director do Ensino Universitário e do Ensino Politécnico da Academia da Força Aérea – como creio ter dito neste blog – e já quando desempenhava tais funções discordei com a licenciatura em Ciências Militares (que a maioria dos oficiais desconhece quais são, tal como o seu objecto e o seu método… factores essenciais à definição de qualquer Ciência). Aliás, graus académicos nessas Ciências, quando a licenciatura foi criada em Portugal, creio que só existiam na «falecida» URSS!!! Originalidades nacionais!

O argumento mais forte que nesses anos recuados eu utilizava para me opor à licenciatura em Ciências Militares é que «se estavam a meter as Academias na Universidade em vez de fazer o inverso». Repare que na formação de um engenheiro militar se «meteu a Universidade na Academia», isto é, trouxe-se o saber universitário para o meio castrense, mas ao fazer de um «infante», «cavaleiro» ou «artilheiro» um licenciado em Ciências Militares «leva-se» para a Universidade uma nova Ciência que, para cúmulo, está vedada a todos os jovens que não queiram seguir a carreira castrense. Por exemplo, um jovem que conclui o curso de Ciências Jurídicas não fica automaticamente habilitado a exercer advocacia, contudo é detentor do saber jurídico, ora, para a licenciatura em Ciências Militares não ser um aborto, haveria que permitir um processo semelhante a todos os que a quisessem frequentar. E o caso das Ciências Jurídicas não é único: veja-se as Ciências Médicas.
Correndo o risco de me repetir, acho que a grande virtude da vida castrense não lhe advém de conceder um ou mais graus académicos; vem-lhe, isso sim, de ser única na sua carga deontológica ou ética. De ser única na sua função primeira.
Quanto à necessidade de se frequentarem Academias militares (ou similares) para se poder ser oficial de carreira isso é uma outra questão que um dia abordarei com tranquilidade e ponderação.
Desejo-lhe um excelente 2008.

De Zé Tavares a 30.12.2007 às 11:33

Ex.mo Sr. Coronel
Muito obrigado pela sua resposta. Igualmente lhe desejo um Bom Ano 2008 e que possa continuar a dar-nos as suas opiniões e comentários. Zé Tavares

De Camoesas a 03.01.2008 às 20:36

Meu caro e estimado amigo Fraga,

Coisas existem e comentários se devem fazer, apenas em surdina, como dizia o outro , em "Voz-Surda" de quem tantas saudades sinto...

Diz o meu amigo e muito bem:
"tenho direito a ter sobre o ataúde onde repousarei, até que o fogo do crematório desfaça o meu corpo em pó, a ter, sobre o ataúde, dizia, a bandeira de Portugal. E terei honras militares — que não dispenso — à entrada do cemitério.

Mas não devia "dizer" aqui, desta forma; em voz-alta!

Os senhores licenciados, doutores e engenheiros que controlam e dirigem as nossas vidas, assim como que por artes mágicas, poderão acabar com esse direito que lhe resta. Tal como a posse do seu espadim (símbolo daquilo que foi e de que se continua a orgulhar) agora poderá ser considerado como acto criminoso...
...Poderão vir a legislar que o Estandarte Nacional, só a eles "veste bem", e não a qualquer sub-cidadão com direitos limitados e deveres acrescentados.

Pergunto-me agora, depois de toda aquela polémica , porque será que no site oficial do governo, na "breve nota biográfica" do Excelentíssimo senhor nosso primeiro ministro, apenas consta que é licenciado, sem referir onde e ao mesmo tempo, parece assumir orgulhosamente que fez uma pós-graduação em local bem identificado e "escarrapachado"?

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031