Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Segunda-feira, 19.11.07

O custo da guerra

 
A guerra colonial acabou há quase 34 anos. Foi há muito tempo, dirão alguns dos meus leitores; só passaram três dezenas de anos, dirão outros. Terão todos razão, porque se trata de uma situação de garrafa meia cheia ou meia vazia. Tudo depende da perspectiva pela qual se olha o problema. Por exemplo, foi há muitos anos, se pensarmos que a grande maioria dos actuais oficiais generais (majores-generais e tenentes-generais ou contra-almirantes e vice-almirantes) já não combateram na guerra colonial ou, no caso dos mais antigos, fizeram-no como alferes acabados de sair da Academia Militar. Contudo, não foi há tantos anos assim, se pensarmos que a maioria dos capitães de Abril são, agora, recém-reformados que ainda não atingiram os 70 anos de idade, estando, por conseguinte, distantes do chamado tempo médio de vida. Este facto, aparentemente, paradoxal parece, também, estranho, porque a maioria dos cidadãos já esqueceu que a guerra colonial durou 13 anos, quer dizer, cerca de mais de 1/3 da carreira normal de um militar do quadro permanente.
Quem, como eu, entrou na Academia Militar em Outubro de 1961 — seis meses depois do início da guerra — e foi promovido a alferes em 1965 e avançou para África em 1966, para cumprir uma comissão de serviço de 24 meses — sempre prolongados por via da demora na substituição — em 1974 já levava 8 anos de guerra, enquanto um alferes de 1960 tinha 13 e um alferes de 1973 somente um. Analisando as respectivas idades, temos que o alferes de 1960 teria, nessa altura, entre 20 e 23 anos — entre 33 e 36, em 1974; o de 1965 entre 29 e 32 aquando da Revolução dos Cravos; e o de 1973, entre 20 e 23.
Repetindo o raciocínio para a actualidade vemos que o primeiro terá agora entre 67 e 70 anos; o segundo, entre 63 e 66 anos; e o terceiro, entre 54 e 57. Claro que estou a excluir desta análise todos os que eram tenentes e capitães em 1961 e que terão actualmente entre 70 e 76 anos de idade.
A estes homens — se lhes associarmos os sargentos dos quadros permanentes que em 1961 tinham à volta de 25 a 30 anos e que agora terão entre 71 e 76 anos — podemos chamar-lhes o custo da guerra. São uns milhares, porque, nos períodos mais agudos do conflito, na Guiné estavam efectivos da ordem dos 20.000 militares e 40 a 50 mil em cada uma das duas outras colónias — Angola e Moçambique. No total mobilizavam-se, por ano, à volta de 120.000 homens enquadrados por uns largos milhares de oficiais e sargentos dos quadros permanentes e por muitos mais graduados milicianos, cuja passagem pelas fileiras, ainda que efémera, se comportava, no mínimo, entre os 3 a 4 anos de serviço.
 
É esta visão que os jovens governantes de Portugal parece não terem. Para eles, a guerra foi um acontecimento que já se passou há muitos, muitos anos e dela ouviram falar vagamente aos pais ou a algum parente. Eles não percebem que agora ainda há custos da guerra que têm de ser pagos. Custos que são mais visíveis em cada um dos militares reformados e cujas idades estão compreendidas entre os quase 60 anos e os que sobrevivem aos 75.
 
Todas as medidas que afectam os militares reformados com idades próximas dos 60 anos são acções sobre os custos da guerra, são injustiças cometidas sobre quem esteve disponível para servir em todas as circunstâncias e em todos os momentos. Todas as medidas que afectam as pensões e as poucas regalias que se lhes haviam dado como recompensa do muito que esses militares ofertaram à Pátria, são nódoas que caiem na Democracia portuguesa, no brio e na honra de toda a Nação, porque, todos os que por lá andaram nessa guerra, se mais não fizeram não foi por cobardia ou falta de vontade… Foi porque o mundo e a razão dos povos esteve contra eles. Esses adversários eram demasiado poderosos para se deixarem vencer.
 
Se o senhor ministro da Defesa Nacional tivesse memória e consciência do que foi o sacrifico do seu próprio Pai — oficial do Exército — e o de todos os seus camaradas, se tivesse estudado a guerra à qual não foi, se não tivesse a ambição e a vaidade de se alcandorar ás cadeiras do Poder para se pavonear, já teria pedido a demissão e ter-se-ia recolhido ao magistério de onde nunca deveria ter saído. Não tem vergonha. Tem vaidade. Por isso fica instalado lá no gabinete, no Restelo, sem honra e sem o respeito de todos quantos serviram uma Pátria que ele nos quer fazer crer serve também. Não serve, porque lhe falta a coragem de se bater por quem se bateu. Não serve, porque compactua com os seus colegas que negam aos antigos combatentes as mais modestas migalhas que tanta falta lhes fazem. Não serve, porque cauciona a perseguição a todos os militares que lutam, como podem e sabem, pela defesa da dignidade de ser SOLDADO.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 01:06


8 comentários

De jose antonio borges da rocha a 19.11.2007 às 10:44

Firme, sentido, ombro-arma e funeral arma...

Até que este regime seja enterrado.

PENSAMENTO SERENO, VERÍDICO DO QUAL CONCORDO INTEGRALMENTE. A PÁTRIA DEVE TUDO A TODOS OS COMBATENTES DA GUERRA COLONIAL.

Costume dizer, para o meu círculo de amigos, isto aquando do 10 de junho, que enquanto houver um ex-combatennte vivi ninguém merece ser condecorado neste País...


Saudação com vénia

De tavares a 19.11.2007 às 17:59

O sr ministro talvez não se tivesse apercibo dos sacrificios feitos pelos verdadeiros combatentes porque o paizinho era do extinto corpo de estado-maior.

De Luis Nunes a 19.11.2007 às 22:09

Domingo 11 de Novembro deste ano. Apercebi-me da importancia da data porque uma rádio dava conta da indignação dos automoilistas . O exercito "ousou" fechar a Anida da Liberdade para prestar homenagem aos nossos mortos da 1ª Guerra Mundial. <Os ditos automobilistas estavam indignados porque ...queriam ir à festa do maior assador de castanhas do mundo....No coments .

De jose antonio borges da rocha a 21.11.2007 às 09:04

A História das nações tem os seu momentos de heroismo e de delinquência... O opóbrio é que os mesmos que ontem quase apelidavam de "criminosos" os militares por defenderem territorio "CONSTITUCIONALMENTE" PORTUGUÊS são os mesmos que agora semeiam more e deficiência, dor e sofrimento em teatros de guerra (ditos de paz), longe do torrão natal, sacrificando o povo por causas desconhecidas: em Timor, no Kosovo, no Iraque, no Afeganistãom, etc... cujas famílas desta aventura necrológica ainda hoje vivem com dificuldades...
É TUDO U, LOGRO.
PORTUGAL DEFINHOU, PORQUE ETEM SIDO GOVERNADO POR INCOMPETENTES E RESSABIADOS DA GUERRA COLONIAL.
DESTRUÍRAM O ULTIMO PINGO DA DIGNIDADE NACIONAL...
Embora não tenha participado na guerra, agradeço o seu post e vejo nele além da desconsideração do poder (civil e militar) uma single homenagem..


De Morais Silva a 21.11.2007 às 12:16

Assino convictamente mas acrescentaria que os "tipos" da guerra nunca pediram nada, nem sequer exigiram respeito pelo seu sacrifício e por isso estão agora a sofrer as consequências do seu desprendimento e ingenuidade tal como sucedeu na nossa terra com os combatentes da 1ª Guerra ou sucede hoje com combatentes do Vietname ou da Argélia por exemplo. Nada de novo, portanto.
Mas, convenhamos, como esperar melhor de gente irresponsável que "aterrou em cargos de responsabilidade para os quais não tem preparação"?
Como esperar melhor de gente sem crédito para quem ética é palavrão e serviço é confundido com "servir-se""?

Esta "corja" é o que temos e teremos a negar qualquer tipo de esperança fundamentada.

Sem alternativa caminhamos para a pobreza racionalizada, atentos e agradecidos com as regras de rebanho que o "maestro" tem vindo a impor e anunciar com pompa para todos se darem conta do esplendor da sua autoridade.

Confesso que já cansei de me perguntar o que fazer para que esta gentinha entenda que nivelar reformados com activos é irracional?!


De António José Trancoso a 23.11.2007 às 09:31

Não é essa a opinião do "servidor" que transita da RTP para a "Estradas de Portugal,SA".
Aí está um exemplo de "abnegado" sacrifício pela Pátria...

De António José Trancoso a 22.11.2007 às 22:23

Meu Caro Alves de Fraga
Não pretendo contrariar a tua análise nem refutar as tuas conclusões, mas...
Falando por mim tenho de reconhecer que sou um privilegiado.
Disse, noutra ocasião, que sou ex-combatente e, como tal, tenho, anualmente, um acréscimo vitalício, à minha pensão de aposentação, de 119,04 euros.
Fazendo contas, essa quantia representa uma dotação mensal de 9,92 euros mensais ou sejam , 33 cêntimos por dia.
Assim, nesta turística Região Autónoma da Madeira, a minha única bica diária custa-me, sensivelmente, metade do preço. Não é bom?!
Claro que não há Bela sem Senão...
O “benemérito” Estado, no entanto,"acertou", neste ano, os descontos para a ADSE ( de 1% para 1,5%) e, assim, para além do desconto, até então, normalmente processado, subtraiu-me 235,38 euros.
Voltando às contas (sem referir as consequências no IRS) o Estado “beneficiou-me”, neste Ano da Graça de 2007, em “116.34 euros negativos”.
Afinal, terei de rever a gestão das bicas…
Ainda há quem diga que os nossos governantes não são, inteligentemente, amigos dos governados!!!
Um louvável decréscimo no consumo de café, que, como se sabe, tem efeitos perniciosos na saúde, contribuirá, decisivamente, para que, e desse modo, venha a morrer…saudável.
Então isto não é bom?!

De Duran Clemente a 02.12.2007 às 20:57

FORÇA FRAGA

DEVIAS MANDAR ESTE TEXTO PARA O SÓCRATES E PARA O MDN.

FORTE ABRAÇO
OBS Publicado num JORNAL tb.seria muito útil

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2007

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930