Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Quarta-feira, 17.01.07

Ser combatente em França

 

É inegável que o jornal Le Figaro é uma das grandes referências da imprensa francesa e, até, europeia ou mesmo mundial. Pois, na edição on-line de hoje anunciava, com direito a fotografia, a morte de um dos quatro últimos soldados franceses que combateram na 1.ª Guerra Mundial.
 
O senhor René Riffaud foi, dos quatro sobreviventes, o único que, em cadeira de rodas, devido à sua avançada idade — 108 anos — assistiu, sob o Arco do Triunfo, em Paris, no dia 11 de Novembro do ano passado, às cerimónias nacionais comemorativas do armistício que pôs fim ao conflito, em 1918. Nessa ocasião foi cumprimentado pelo presidente da República de França que lhe agradeceu o sacrifício de estar presente, quando fazia tanto frio, contudo, ele, face ao pedido do senhor Chirac , como bom soldado que era, limitou-se a responder que só tinha de cumprir.
 
A França honra-se dos seus combatentes, honrando-os. As mais altas figuras do aparelho do Estado deslocam-se para lhes dispensar as homenagens de que são credores. Os jornais referem-nos com respeito. E tudo isto, porque a França se respeita a si mesma. E tudo isto, porque os Franceses exigem que se respeitem os seus militares, os seus combatentes, pois têm orgulho neles, revêem-se nos homens que estiveram dispostos a tudo sacrificar para que, em todos os tempos e em todos os lugares, o estandarte francês pudesse drapejar ao vento, bem alto e bem visível.
 
Os soldados de Portugal, em novecentos anos de História da Pátria, não fizeram nem mais nem menos do que os seus camaradas gauleses. Também deixaram pedaços de si mesmos pelos quatro cantos do mundo em obediência à vontade de quem mandava e, supostamente, representava a voz da Nação. E como são tratados? E como são referidos nos órgãos de comunicação social? E que respeito lhes manifestam os políticos do seu país?
 
Um Povo que não honra e não festeja os seus mártires não se honra nem se dignifica. É um Povo que tem de si mesmo uma péssima imagem.
E em Portugal, por acção de um treinador de futebol brasileiro, a bandeira nacional só se ergue altaneira quando se disputam jogos ou campeonatos internacionais. Fraco Povo que se revê exclusivamente nestes acontecimentos tão efémeros, tão pouco enaltecedores. Fraco Povo que recolhe esta lição vinda de um cidadão de um Estado que ascendeu à independência ainda não há dois séculos. Fraca gente e fracos governantes que não sabem dar o exemplo. Era do exemplo deles, como líderes eleitos, que todos esperavam a palavra de ordem. Palavra que nunca vem. Palavra que se lhes desfaz nas gargantas para dar lugar a murmúrios lastimosos contra a despesa que representa a manutenção das Força Armadas. Às vezes, sai-lhes um grito de raiva contra homens que são capazes de abdicar de quase tudo e da própria vida para continuarem a manter erguido o nome de Portugal. Capazes de fazer o que eles, os governantes, nunca fariam...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 21:21


7 comentários

De Camoesas a 17.01.2007 às 23:24

Ainda hoje vi e ouvi o senhor ministro da Defesa todo "inchado" porque os americanos elogiaram os militares portugueses (no Afeganistão), claro que ele próprio também os elogiou (que outra coisa poderia fazer?). Contra factos não há argumentos, nem que fosse só pela cega subserviência aos nossos "amigos" americanos, vejam-se os afinal 7 vôos da CIA.
Claro que o elogio foi lá fora, para Inglês (Americano) vêr, porque por cá, já sabemos a consideração que os políticos têm pelos militares...
A propósito, reparei que além do casaco camuflado, o senhor ministro também já usa capacete, qualquer dia até faz a recruta e merece a farda completa, um verdadeiro militar! (Mais vale tarde que nunca).

Nós por cá, todos bem! O ministro Amado afinal já admite que houve vôos (os tais que ele disse que não houve) da CIA mas, o ministério dele não sabia porque os papeis estavam no ministério que agora é o dele...
O ministro da Defesa determinou inquéritos aos militares, não os tornou públicos, proíbiu a Marinha de se fazer representar num programa de TV onde se debatia o "Luz do Sameiro" . O Chefe da Armada manteve contactos telefónicos com ele e depois disso "comunicou" internamente (cá para fora) que assumia culpas... O ministro não assumiu nada mas mandou reforçar os meios, construír as estações em terra atrasadas 7 anos e até vai colocar uma frota de helicópteros para garantir melhor socorro ao longo da costa portuguesa e vai colocar todos os ditos em...Beja!!!
O ministro da Saúde diz que tudo correu normalmente no caso de Odemira e não há necessidade de inquérito, não assumiu culpa alguma mas, também vai reforçar os meios...
O senhor "engenheiro" teve a lata de dizer uma grande verdade, que todos os governos anteriores aplicaram mal as verbas da União Europeia que entraram no nosso "relvado". Acusou o seu próprio partido e todos os outros que nos (des)governaram , mas com ele, tudo será diferente...
Nós por cá, todos bem!

De joao_carlos_cardoso a 17.12.2007 às 17:39

venho por este meio informar que o exercito portugues é uma comedia.entao esta a mandar
os militares contratados com gosto na sua farda para o desemprego e vai ao desemprego
repescar pessoas sem gosto na farda?o exercito anda a gastar dinheiro em cursos,cartas
de conduçao e etc para depois mandar esses militares embora e pagar outros cursos a
pessoas do desemprego!como é que o nosso estado vai para a frente?os praças do exercito
com 9 anos de contrato manda-os para o desemprego?mas isto estamos a brincar com a
tropa!depois admiram-se em haver assaltos e corrupcoes se o estado é o 1º a desempregar
os funcionarios!e o pior é o exercito portugues andar a gastar dinheiro afazer
publicidades e a enganar as pessoas para angrear pessoal para a tropa.se tem lá os bons
militares porque os mandar embora?os militares podem apoiar as forças de segurança!é pau
para toda a obra.o pior de tudo é andar a dizer SOLDADO PROFISSIONAL se nem sequer
existe porque os praças sao todos contratados e no final de 9 anos de contrato vao para
o desemprego isto é enganar as pessoas!uma opiniao minha:TODOS OS MILITARES QUE
COMPLETARAM E QUE COMPLETAM O TEMPO MAXIMO DE CONTRATOS E FORAM BONS MILITARES SEM
PUNIÇAO NENHUMA É DAR UMA OPORTUNIDADE A ELES DE SEGUIREM CARREIRA PORQUE É SINAL QUE
ELES GOSTAM DA FARDA QUE VESTEM.GOSTAVA MUITO QUE ISTO FOSSE DITO VARIAS VEZES NA TV
PORQUE MAIS TARDE OU MAIS CEDO VAI SER A NOTICIA DO DIA A DIA O EXERCITO ESTÁ A
FUNCIONAR MUITO MAL
responder

EXERCITO PORTUGUES

(anonimo, 0 pontos , ontem às 17:52)

TODOS OS PRAÇAS QUEREM MANIFESTAREM-SE MAS NAO PODEM PORQUE NAO TÊM ASSOCIAÇAO DE PRAÇAS .JÁ FOI ENVIADO PARA A SIC TVI E RTP E NAO TIVERAM CORAGEM DE PUBLICAR ISTO MAS COM A VERGONHA QUE VAI NO EXERCITO MAIS TARDE OU MAIS CEDO VAI SER A NOTICIA DO DIA A DIA.ENTAO O EXERCITO NAO FICAVA COM OS BONS MILITARES QUE NAO TIVERAM PONIÇAO NENHUMA PARA AUXILIAR AS FORÇAS DE SEGURANÇA?MANDA-OS PARA O DESEMPREGO PORQUE SAO BONS E VAI FAZER PUBLICIDADE PARA AS CIDADES PARA ANGREAR PESSOAL Á FORÇA EU TENHO VERGONHA DE SER MILITAR TAMBEM FALTA-ME 1 ANO PARA IR PARA O DESEMPREGO E COMO EU HÁ MAIS 5000 PRAÇAS
responder

EXERCITO PORTUGUES

(anonimo, 0 pontos , ontem às 17:53)

OS PRAÇAS DO EXERCITO SAO OS UNICOS EM PORTUGAL E EM TODO MUNDO QUE NAO PODEM FAZER CARREIRA PORQUE?SÓ FALAM EM SARGENTOS E OFICIAIS E PORQUE NAO FALAM EM PRAÇAS SEM PRAÇAS NAO HAVIA TROPA!É VORGUNHOSO OS PRAÇAS IREM PARA O DESEMPREGO .O EXERCITO PORTUGUES CADA VES TÁ PIOR.AINDA NAO TIVEMOS UM NINISTRO DA DEFESA QUE FALASSE DOS PRAÇAS .OS PRAÇAS NAO TÊM ASSOCIAÇAO POR ISSO NAO PODEM FAZER BARULHO E POR ISSO ESTÁ COMO ESTÁ.OS BONS MILITARES TAO TODOS A IR EMBORA POR LIMITE DE CONTRATOS.UM MILITAR COM 8 ANOS DE TROPA VAI PARA O DESEMPREGO PORQUE ACABA OS CONTRATOS COM ESSE TEMPO NORMALMENTE JÁ TEM 30 OU MAIS ANOS E DEPOIS QUE VAI FAZER?O EXERCITO PRECISA DE UMA MUDANÇA RADICAL.TODOS OS PRAÇAS TÊM ESTA OPINIAO.EU AXO QUE O EXERCITO FAZIA BEM ERA IR BUSCAR OS BONS MILITARES QUE OS MANDOU EMBORA PARA O DESEMPREGO.MUITOS DOS MILITARES QUE TÊM GOSTO NA FARDA E NAO PODEM SEGUIR CARREIRA ESTAO A OPTAREM POR A LEGIAO FRANCESA PORQUE AÍ SIM PODEM SEGUIR UMA CARREIRA MILITAR.EM PORTUGAL SO OS SARGUENTOS E OFICIAIS É QUE PODEM FAZER CARREIRA PORQUE?SAO TRES CLASSES OFICIAIS SARGENTOS E PRAÇAS .A MARINHA OS PRAÇAS PODEM FAZER CARREIRA E NO EXERCITO PORQUE NAO É UMA VERGONHA

De Fernando Vouga a 18.01.2007 às 17:16

A França, com todos os seus defeitos, é um grande país. Pode mesmo dizer-se que é o berço da dita "civilização ocidental " moderna.
E os franceses têm um grande orgulho em serem franceses.
A nós por cá, só nos resta ter "um passado glorioso à nossa frente" como disse com piada um nosso camarada marinheiro. Hoje em dia, quais são os nossos motivos de orgulho? Quem é que percebe qual é a vantagem, mesmo que apenas moral ou cultural, de ser português?
O "engenheiro" que explique.

De JV a 20.01.2007 às 22:25

Caríssimo Luís;

Tomei a liberdade de publicar o seu artigo no meu blogue. Se nisso encontrar qualquer inconveniente, faça o favor de mo dizer, e de imediato o retirarei.

Cordiais Saudações

De saraiva a 22.01.2007 às 20:00

Caro senhor, tenho lido avidamente cada linha que escreve, bem elaboradas, muito bem escritas, todas as palavras com muito nexo sem duvida......
mas, em duvidas falando, assalta-me sempre a mesma, nem dormir me deixa, pois sofrendo na pele, todo o despotismo e arrogancia destes senhores que se dizem governantes, pergunto eu a quem me souber responder......PORQUE E QUE QUEM TEM O PODER DE DECISAO, SO O FAZ QUANDO JA ESTA NA RESERVA, E NAO QUANDO ESTA NO ACTIVO???
E apenas uma duvida legitima que me assalta todos os dias, de manha a tarde e a noite......
E razao mais que suficiente para dizer: puzeram-nos la, agora aguentem-se.....

De António Viriato a 23.01.2007 às 00:48

Caro Amigo,

Concordo grandemente com o que aqui disse. Este tema, por razão familiar, é para mim muito grato. Tive um avô artilheiro em La Lys, que justamente se orgulhava de ter sobrevivido àquele martírio de 9 de Abril de 1918. Melhor ou pior, a 1ª República e o chamado Estado Novo sempre homenagearam os Antigos Combatentes.

Só esta ultra civilista democracia permanece indiferente ante as suas memórias guerreiras. Nem com as demais democracias europeias consegue aprender a respeitar aqueles que pelo País deram e darão os maiores sacrifícios das suas vidas, se acaso o País lhos voltar a pedir.

Ou já não será este o compromisso que os cidadãos assumem com a Pátria ?

De nuno carodoso a 18.05.2009 às 14:55

tive a prestar serviço no exercito portugues durante 2 anos na engenharia ..isto e uma vergonha este pais cada dia k passa m revolto mais
em setembro tenciono ir pa um pais k gosta dos seus tropas ei d ser legionario .....portugal tem k aprender a respeitar kem e capaz d sacrificar a vida pelo seu pais...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2007

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031