Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Domingo, 10.09.06

Quem tem medo das Forças Armadas?

 

No passado dia 7 de Julho, o matutino Correio da Manhã, trazia como subtítulo de uma notícia o seguinte: «Faltam 4 mil operacionais na Guarda» e acrescentava no decurso do texto que os efectivos da Guarda Nacional Republicana (GNR) são de 26.000 homens e mulheres. Assim, se lhe juntarmos os quatro mil em falta, teremos uma totalidade de 30.000.

Tomando como ponto de partida o facto de a GNR ter absorvido a antiga Guarda Fiscal e de as funções por esta desempenhadas terem sido substancialmente reduzidas com a abolição das fronteiras, parece poder perguntar-se:

— Um efectivo tão elevado para quê?

Se levarmos em conta que a segurança cívica interna tem como suporte a Polícia de Segurança Pública (PSP) e, agora, ainda mais as Polícias Municipais (PM) que dão larga cobertura de vigilância às principais cidades e que, nestas, foi adjudicado a empresas municipais o controle do estacionamento indevido das viaturas automóveis nas ruas, dá vontade de perguntar:

— Não estará sobredimensionado o segmento interno de segurança e defesa em detrimento do segmento externo de segurança e defesa?

Conjugando as duas perguntas anteriores — feitas somente para nos ajudar no raciocínio e demonstração — posso, desde já, usando como apoio o meu apontamento intitulado «As Forças Armadas em números», datado de 3 de Janeiro do corrente ano, responder sem qualquer hesitação; posso eu ou qualquer leitor que não seja obtuso, vesgo ou parcial na interpretação dos dados apresentados. Realmente, foi publicamente afirmado e não desmentido que os efectivos totais das Forças Armadas eram de 46.928 homens e mulheres, dos quais 7.422 são funcionários civis; assim, temos que, na verdade, militares a integrarem a defesa e a segurança do país são 39.506, ou seja, somente mais nove milhares e meio de homens e mulheres do que o efectivo total da GNR. Note-se que não estou a contabilizar aqui os números da PSP e das polícias municipais!

É claro que os mais esclarecidos e puristas dos meus leitores contrapõem a esta argumentação o facto de a GNR ser legalmente considerada parcela das Forças Armadas. É-o, de facto, em certas e muito precisas circunstâncias, porque, na maior parte da sua actividade, não passa de uma força de segurança interna, com objectivos e missões muito claramente definidos nesse sentido. Ora, esperando-se que os efectivos desta força interna sejam pouco inferiores aos da força que tem como missão a defesa externa, a única leitura política que se pode e deve fazer é a de que os sucessivos Governos de Portugal, além de descurarem a segurança externa do Estado, receiam as consequências internas de existirem umas Forças Armadas com real e efectivo poder intervencionista. Por outras palavras, a GNR não constitui uma ameaça à estabilidade política dos Governos — é uma força domesticada ou domesticável — enquanto as Forças Armadas são olhadas como uma ameaça interna pois, com os efectivos actuais e os meios ao seu dispor, pouca ou nenhuma dissuasão externa representam. Contudo, a GNR, pela mesma ordem de razões, com os efectivos propostos, representa uma verdadeira força dissuasora de ordem interna.

Assim, pode afirmar-se que, de uma maneira mais sofisticada, os Governos democráticos de Portugal — em movimentos de aproximação sucessiva — colaram-se à mentalidade fascista que as Forças Armadas procuraram liquidar com o golpe militar de 25 de Abril de 1974.

Trinta e dois anos passados, os números dão-nos a indicação insofismável de um Governo que descura a problemática externa, colocando-a nas mãos de possíveis aliados de momento, e acautela a problemática interna, rodeando-se de uma força que lhe obedeça para impor e repor a ordem se e quando alterada. Este mesmo quadro já foi «pintado» durante a 1.ª República, logo após a Grande Guerra. Assim, neste contexto, cabe perguntar:

— Quem tem medo das Forças Armadas?

Claro que, para a grande maioria dos cidadãos comuns, o mais importante de tudo é ter garantida a segurança interna, chegando ao ponto de, em exagero, desejar na sua rua ou à porta do seu prédio, um guarda cívico ou um soldado da GNR. É evidente que eu próprio advogo a máxima manutenção da ordem pública, mas isso não passa, nem nunca passou, pela existência de um sem número de elementos de forças de segurança. Passa e passou, isso sim, pela existência de uma eficaz repressão judicial — apoiada num bom sistema de investigação policial e célere funcionamento dos tribunais — e pela alteração das condições sócio-económicas que induzem ou conduzem directamente à criminalidade. Neste último caso, todos os dedos se devem apontar para o Governo, único responsável pela proposta de legislação capaz de pôr termo às grandes injustiças sociais resultantes da elevada taxa de desemprego, subemprego, desacompanhamento dos jovens — vítimas, afinal, da necessidade dos pais trabalhadores terem de estar ausentes de suas casas, às vezes, mais de treze horas — e incapacidade de encontrar e implementar programas de integração dos pequenos delinquentes.

Não é aumentando efectivos policiais que se controla a criminalidade e a insegurança dela resultante; mas, como demonstrei, até é conveniente ao Governo a existência de um elevado contingente de forças de repressão interna, porque nelas deposita a esperança de estar seguro, iludindo os pacatos cidadãos e convencendo-os da quase inutilidade das Forças Armadas, pois tudo o que com elas se gasta, segundo o discurso demagógico do Poder, poderia ser encaminhado para as forças de segurança interna. Assim sendo, cabe, uma vez mais, fazer a pergunta:

— Quem tem medo das Forças Armadas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 00:16


6 comentários

De Carlos Camoesas a 10.09.2006 às 02:04

Os políticos corruptos e os seus Generais e Almirantes "domesticados"?

De Fernando Vouga a 10.09.2006 às 19:19

Resposta: os políticos.
Mas não é só em Portugal que isso acontece.
O fenómeno é geral. Os militares são glorificados durante a guerra mas são imediatamente remetidos ao esquecimento mal cessam as hostilidades. Já era assim nos tempos da Antiguidade Clássica.
Em todo o lado, em tempos de paz, promovem-se aos mais altos cargos as brigadas do reumático. Porque a fidelidade (e não o génio militar) é que confere segurança aos governantes.
É a vida...

De Guimas a 11.09.2006 às 21:29

Só estes politicos CORRUPTOS e ÁVIDOS DE PODER é que poderão ter medo das Forças Armadas.Ao Povo é-lhes dito que as F.A. são uns dos culpados da situação económica da Nação e isto par quê? Para que as atenções não se virem para a POUCA VERGONHA que estes politicos têm estado a realizar ao DELAPIDAR a Nação.Sim porque "eles"-os politicos-são os principais culpados do estado a que esta Nação chegou-com ordenados principescos-"vide" o caso do governador do Banco de PORTUGAL que consegue ganhar mais do que o governador do Banco central americano e mesmo assim é uma AVE NEGRA pois só sabe transmitir desgraças (para os outros NÃO para ELE) .Vejam que aumento tiveram os politicos no ano 2005 segundo o C.M-edição de 10SET2006-quase o quadruplo do que um funcionário público teve.Vejam a actaução destes "TIPOS" no exterior-melhor exemplo do que o M.N.E que pelos vistos ainda actua como M.D.N e consegue por ao ridiculo o papel da pasta da Defesa,etc.
Mas dee uma coisa tenho de dar a mão á palmatóris estes "tipos" têm muita 2làbia" pra continuarem a enganar o POVO PORTUGUÊS de tal maneira que este nem protesta e quando protesta 2 coisa lhe podem acontecer:1-Ou é "castigado pelos seus Chefes ou
2-O protesto é de tal maneira "frouxo" que parece pólvora seca a ser disparada .
Por fim deixo aqui o meu GRITO DE REVOLTA:

ACORDA PORTUGAL
ACORDA POVO PORTUGUÊS

De Guimas a 11.09.2006 às 21:30

Só estes politicos CORRUPTOS e ÁVIDOS DE PODER é que poderão ter medo das Forças Armadas.Ao Povo é-lhes dito que as F.A. são uns dos culpados da situação económica da Nação e isto par quê? Para que as atenções não se virem para a POUCA VERGONHA que estes politicos têm estado a realizar ao DELAPIDAR a Nação.Sim porque "eles"-os politicos-são os principais culpados do estado a que esta Nação chegou-com ordenados principescos-"vide" o caso do governador do Banco de PORTUGAL que consegue ganhar mais do que o governador do Banco central americano e mesmo assim é uma AVE NEGRA pois só sabe transmitir desgraças (para os outros NÃO para ELE) .Vejam que aumento tiveram os politicos no ano 2005 segundo o C.M-edição de 10SET2006-quase o quadruplo do que um funcionário público teve.Vejam a actaução destes "TIPOS" no exterior-melhor exemplo do que o M.N.E que pelos vistos ainda actua como M.D.N e consegue por ao ridiculo o papel da pasta da Defesa,etc.
Mas dee uma coisa tenho de dar a mão á palmatóris estes "tipos" têm muita 2làbia" pra continuarem a enganar o POVO PORTUGUÊS de tal maneira que este nem protesta e quando protesta 2 coisa lhe podem acontecer:1-Ou é "castigado pelos seus Chefes ou
2-O protesto é de tal maneira "frouxo" que parece pólvora seca a ser disparada .
Por fim deixo aqui o meu GRITO DE REVOLTA:

ACORDA PORTUGAL
ACORDA POVO PORTUGUÊS

De António Viriato a 14.09.2006 às 22:40

Prezado Confrade da Blogosfera,

Por um acaso aqui vim dar. Li textos muito estimulantes, mesmo se não concordo com alguns pontos de vista neles expressos, com perdão a rudeza do comentário. De resto, nenhuma importância isso terá, quando sobrelevamos, no que lemos, a inteligência, a seriedade e a clareza com que o autor expõe o seu raciocínio, o que notoriamente acontece no caso presente.

Gostei bastante do seu texto de 20 de Agosto de 2006 – «A guerrilha, o terrorismo e Israel» - e da avaliação que nele faz do conflito que o Ocidente mantém com o radicalismo islâmico, não obstante as apreciações demasiado benévolas a respeito de Fidel, de cuja bondade não partilho.

Se me permite, sugiro-lhe que volte proximamente ao tema, aprofundando a reflexão iniciada, que me parece ir num sentido deveras interessante.

Felicito-o também pela forma desassombrada como escreve sobre os assuntos que elege, alguns geralmente considerados controversos ou delicados.

Cordiais saudações de um seu leitor acidental, que prevê tornar-se habitual.

António Viriato

De Che Guevara a 04.10.2006 às 15:22

Que se faça um golpe de estado! Volte a ditadura e os militares para o poder, pois é isto que estes senhores pretendem!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2006

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930