Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Terça-feira, 22.08.06

Honestidade e Políticos

 

Em Portugal ainda há uns quantos ingénuos que associam o facto de se ser político a ser honesto. Pessoalmente, desde os meus dezoito ou vinte anos que abandonei tal ideia.

Do Norte da Europa chega-nos, como mito, a indissolubilidade entre um conceito e outro, contudo, de quando em vez, lá estala o «verniz» e a verdade rompe em cachões avassaladores.

Os políticos nunca são gente de bem! Não podem ser. Razão pela qual só alguns de nós aceitam envolver-se na res publica e outros ficam, como eu, a criticá-la e, ou, dedicando o seu tempo a servir a comunidade.

Não há política sem escândalo nem político impoluto.

 

Que se desiludam todos os que acreditam no contrário. Um dia, a verdade há-de vir à superfície, como o azeite na água. É uma questão de tempo.

Valia a pena gastar espaço para fazer esta afirmação?

Provavelmente, não, mas lembrando-me de água, recordo-me da sua moleza e, em consequência, da dureza das pedras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 07:49


1 comentário

De Fernando Vouga a 22.08.2006 às 11:31

Não é preciso muito para compreender esse triste facto. Basta ler Maquiavel.
É que uma coisa é á política, e outra é a governação. E a primeira tem como único objectivo conquistar, manter e reforçar o poder.
Daí a expresão "politicamente correcto". Uma medida pode ser excelente mas, se não contribuir para os objectivos do poder, não será aplicada.
E, como um mal nunca vem só, ninguém esqueceu a célebre máxima de Salazar: "em política o que parece é". Ou seja, o importante é a imagem, não o conteúdo. E, pela imagem, os políticos até vendem a mãe, se for necessário.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Agosto 2006

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031