Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Segunda-feira, 10.07.06

Pensões milionárias

 

Há tempos, chegou-me às mãos, já nem sei vindo de onde ou de quem, uma mensagem reportando o escândalo das chamadas pensões milionárias e, para exemplificar, referia a notícia do jornal Correio da Manhã que, entre outras, citava, com fotografia, o caso do General, agora reformado, Alvarenga de Sousa Santos que exerceu as funções de Chefe de Estado-Maior da Força Aérea e as de Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas. Desempenhou, no fim da carreira, os mais altos cargos militares que podem ser atribuídas a um oficial. Só isso! Deve acrescentar-se, porque poderia parecer semelhante ao exercício de funções de qualquer Presidente da República — dez anos em dois mandatos —, que os cumpriu depois de uma carreira de, pelo menos, trinta e seis anos efectivos de serviço militar, com comissões em campanha.

Refere o jornal (como se poderá ver) ter-lhe sido arbitrada uma pensão de reforma no valor de € 5584 e, depois, menciona com pensões semelhantes o caso de dois juízes desembargadores com menos três euros mensais!

Para além de patética, é ridícula a notícia!

Note o leitor, com bom-senso, a tremenda contradição, a maldade, a insidiosa velhacaria que se pretende passar para o público: um general que percorreu o máximo da hierarquia militar portuguesa e de qualquer país comparado com dois juízes desembargadores! Será possível — e, pessoalmente, não sei — que estes também tenham atingido o máximo das suas carreiras, mas, não há dúvida, é que, em simultâneo, há mais do que quatro juízes desembargadores no país a exercer funções e nas Forças Armadas há só três Chefes de Estado-Maior — um por cada Ramo — e um Chefe de Estado-Maior das Forças Armadas. A falácia em que se pretende induzir os Portugueses é esta!

Não está errado um chefe militar, que atingiu o máximo de toda a hierarquia, ter uma pensão de reforma de mais de cinco mil euros mensais! Errado está que um sargento tenha uma miséria! Que um coronel tenha uma ridicularia comparado com o nível de exigências que lhe foram feitas ao longo de, pelo menos, 36 anos de serviço! Errado está um ministro, que foi durante meia dúzia de anos deputado, ter uma pensão de reforma semelhante à de um militar que se viu obrigado a tudo sacrificar na vida durante uma vida de trabalho! Errado está que um autarca possa usufruir de pensão de reforma, ao cabo de catorze anos de exercício de funções, semelhante, em valores, à de um militar que, além de ter estado nas fileiras trinta e seis anos, sofreu deslocações por todo o país, esteve dias e dias sem ver a família, correu riscos incalculáveis! Tudo isto é que está errado!

Injustiça social é a comparação que se faz entre funcionários cujas vidas passaram sem sobressaltos de maior — e, quando os tiveram, foram compensados com largueza financeira — e militares que auferem valores que envergonham quem recebe e quem paga!

Injustiça social é um Estado permitir desníveis acentuados de salários e pensões entre funcionários que a pouco são obrigados e outros que tudo estão prontos a sacrificar para cumprirem compromissos livremente aceites para servir a colectividade.

Para que línguas viperinas não possam extrair conclusões sobre aspectos inexistentes, deixo claro que nada me liga ao General Alvarenga de Sousa Santos, para além da camaradagem de armas que me amarra a qualquer outro militar — general, sargento ou praça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 09:36


3 comentários

De Carlos Camoesas a 10.07.2006 às 19:01

Meu caro Fraga,

Todos sabemos que o Governo usa os OCS como forma de campanha , "direito de antena" disfarçado e publicidade subliminar.
Em tempos, alguém se lembrou de passar nos cinemas, um fotograma de uma determinada bebida, disfarçado no meio dos 23/24 fotogramas por segundo (creio serem estes os números) que penetram o nosso cérebro através dos olhos.
A experiência não podia ter sido melhor sucedida, no intervalo quase toda a gente tinha sede e curiosamente, sede dessa bebida do fotograma!

Esse tipo de publicidade subliminar foi proíbida. Provou-se que o público-alvo agia inconscientemente e por indução daquilo que lhe era imposto e incutido à força no cérebro, sem se aperceber do facto, contra a sua vontade.
Mensagem subliminar, uma espécie de lavagem ao cérebro.
Sócrates ou os seus assessores sabem certamente dessa experiência...

Também sabemos que o "povo" reage bem quando os militares são humilhados pelos políticos, quando são culpados de todos os males da sociedade, os militares, esses "chulos" (uma vez mais, desculpe a expressão crua)...
Qualquer um de nós conhece alguém que não fez da "tropa" carreira mas, nas suas palavras, se tivesse ficado... hoje seria isto ou aquilo (não existiriam quarteis suficientes para tanto "general"). Mas, não ficaram! Esses, não ficaram por cobardia, por incompetência ou simplesmente porque sabiam que ser militar não é futuro!
Já disse e/ou escrevi isto nalgum lado; vivemos num País em que a mentalidade de quem anda de bicicleta, não é aspirar a vir a possuír uma motorizada mas, festejar a desgraça e infortúnio do seu vizinho que por acidente ficou sem automóvel e agora também se desloca de bicicleta.
Carvalho Pinto de Sousa também sabe isso e joga com as mensagens subliminares contra a Instituição Militar. O "povo" compra o "produto", no intervalo do Futebol, Fado ou Fátima...

De Fernando Vouga a 12.07.2006 às 13:20

Quando não há nada para dizer, quiçá fruto de mentes vazias, bate-se nos militares. Como assim , eles acabam sempre por ser os bodes expiatórios dos males que nos atormentam. Já Hitler fez o mesmo com os judeus...

De É curioso a 22.07.2006 às 18:28

Sr. General gostei das palavras que aqui li.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2006

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031