Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo



Domingo, 27.11.16

Na morte de Fidel Castro, a pergunta: liberdade ou liberdades?

 

Porque o meu Pai, embora nascido em Monarquia, cresceu na República, a 1.ª, entenda-se, e viveu, até aos dezanove anos de idade, em democracia parlamentar, eu interroguei-o, várias vezes, sobre o que era a liberdade e como é que ela, na prática, se geria. Ficou-me, dessas conversas, uma frase que vejo e oiço repetida por muita gente:

— A nossa liberdade acaba onde começa a liberdade dos outros.

Cresci a pensar assim. Exactamente assim. Depois dos meus estudos de politologia conclui que vivera, até então, numa meia verdade, numa quase falácia. É isso que vou tentar explicar em poucas palavras.

 Se a minha liberdade acaba onde começa a liberdade dos outros eu estou a defender o sistema de liberdade mais limitativo da liberdade que se pode imaginar!

Vejamos, quanto maior for a minha liberdade, mais pequena será a dos outros e, aí sim, a minha liberdade é magnífica! Mas os outros pensarão o mesmo e, nesse caso, o sistema terá a figura de uma selva onde se luta por alargar a liberdade individual à custa da redução da de todos.

Como se percebe, esta definição de limites da liberdade só pode existir num regime que privilegie o individual. Esta será a liberdade do liberalismo onde o limite de crescimento é aquele que cada um for capaz de alcançar. Por conseguinte, esta liberdade é a do regime capitalista, onde o bem primeiro da sociedade reside na pessoa e nas suas capacidades. Assim, em capitalismo, teoricamente, eu posso desejar tudo, dizer tudo, fazer tudo, desde que não contunda com os interesses dos outros. E, neste caso, interesses passam a ser direitos.

 Vejamos agora o conceito de liberdade num regime que zele pelo bem-comum sem privilegiar o individual, mas tenha como cuidado defender o colectivo.

A liberdade individual, neste caso, deverá ser limitada em função da comunidade. E as regras têm de ser muito bem definidas, pois toda a atitude que extravase os limites estabelecidos vai esmagar o colectivo. Esta é a liberdade dos regimes que falam, legislam ou funcionam em nome da comunidade. Esta era a liberdade do Estado Novo, de Salazar, porque, seguindo o slogan desses tempos — «Tudo pela Nação, nada contra a Nação» —, por cima do indivíduo estava o colectivo nacional.

 Como se vê, são liberdades diferentes, que provêm de regimes diferentes e têm objectivos diferentes. As perseguições em Cuba, das quais se acusa Fidel Castro, eram feitas em nome da defesa do colectivo e tiveram, e têm, a legitimidade da revolução socialista, ou seja, colectivista. Quem as critica é porque, necessariamente, está integrado, defende e aceita o sistema individualista da sociedade.

E como se explica o regime de Salazar?

Simples! Tal como o fascismo italiano, teoricamente existia para gerar o bem de todos, mas só beneficiava, efectivamente, uma clique cujos limites eram estabelecidos pelo ditador.

 Acho que fui suficientemente claro e sintético para se perceber que há liberdades diferentes, porque há regimes diferentes — os individualistas e os colectivistas — e, consequentemente, há também conceitos diferentes de democracia em cada um deles.

Só percebendo estes particularismos da Política se pode perceber a grandeza de Fidel Castro ou a tirania do Comandante. E grandeza e tirania resultam da aceitação ou recusa do modelo político por ele posto em marcha, depois do derrube de uma ditadura corrupta e completamente enfeudada ao grande capital dos EUA.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 18:26

Sábado, 26.11.16

Fidel Castro

 

Morreu o homem que ousou desafiar os EUA mesmo geograficamente pegado ao território da grande potência. Morreu o líder de uma revolução que empolgou os rapazes da minha juventude. Morreu o homem que abandonou a farda da revolução para passar a vestir um fato de treino.
Morreu, e não sei o que dizer mais, neste momento. Só sei que morreu alguém que marcou, pelo menos, uma geração com sonhos de criar uma sociedade justa. Não a criou, mas gerou um país onde a cultura chegou onde nunca chegaria, se se mantivesse no caminho anterior.
Morreu um homem com defeitos e virtudes, que influenciaram opiniões acerca dele. Morreu e desejo que fique em paz.
Um dia, com mais calma, voltarei a falar de Fidel Castro.
Hasta siempre, Comandante!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 12:05


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930