Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Terça-feira, 11.04.06

Serviço militar voluntário

O jornal Correio da Manhã, no dia 10 de Abril, deu a conhecer o resultado de um estudo levado a cabo pelo Fórum Sociológico da Universidade Nova de Lisboa intitulado «Os Jovens e as Forças Armadas». Em resumo, concluía-se aquilo que todos nós, militares «de outros tempos» já sabíamos há muito como fruto da experiência alheia!: só escolhem optar pelo serviço militar voluntário os jovens com menores aptidões intelectuais e, eventualmente, aqueles que possam rondar situações de marginalidade social.
Como disse, isto para mim não constituiu novidade, tal como também não para o general Loureiro dos Santos (entrevistado pelo matutino).
É evidente que a conclusão tem de ser analisada, evitando-se as generalizações perigosas. Assim, devemos separar os voluntários que optam por ingressar nas Academias militares, destinados a oficiais dos quadros permanentes, dos restantes que escolhem uma forma de voluntariado de duração mais curta (podendo ir, normalmente, até aos oito anos de serviço).
Em princípio, a capacidade intelectual dos candidatos às Academias é testada previamente e só são admitidos aqueles que oferecem garantias de concluir os cursos com êxito; a prova está, cada vez mais, à vista quando verificamos que muitos jovens oficiais tudo fazem para obter graduações académicas civis de modo a ficarem mais aptos para o desempenho das funções castrenses. Há quinze anos, na Força Aérea, não chegavam a cinco os oficiais do quadro permanente com o grau de mestre; hoje, contam-se pelas dezenas e mais alguns doutorados. O mesmo acontece no Exército e na Armada. O ingresso nas Academias ainda continua a ser fruto de uma vocação e não um recurso. O mesmo não se poderá dizer dos jovens voluntários para uma prestação de serviço profissional de curta duração.
De entre todos os jovens que se oferecem para servir nas Forças Armadas — embora sujeitos, também, a testes psicotécnicos — raros serão aqueles que o fazem com o determinado desejo de prosseguirem uma carreira militar. Para eles as fileiras são uma forma de solucionar um problema imediato e no imediato: a falta de trabalho. Alguns, provavelmente, depois de conhecerem o serviço militar, desenvolvem o gosto pela carreira militar e poderão, se tiver condições para tal, vir a ingressar nos quadros permanentes mediante a prestação das provas impostas. Seja como for, a opção pelo serviço voluntário é, quase sempre, um recurso.
Este sistema de manutenção das Forças Armadas tem poucas vantagens e, concomitantemente, inconvenientes tremendos.
O facto de, cada vez mais, os armamentos se irem sofisticando e, por isso, exigirem operadores melhor preparados não supera as desvantagens de um serviço militar voluntário. Este, mais tarde ou mais cedo, acaba ganhando «vícios» de mercenário, altamente perigosos para a efectiva defesa dos interesses nacionais. Citando alguns daqueles, poderia realçar: exigência de salários cada vez mais elevados permanentemente contrariada pelos sucessivos Governos que não reconhecem valia na actividade militar; regalias de horário ou de menor empenhamento na missão (como exemplo, cito o caso do condutor de um oficial general que, fora das horas — que procura sejam poucas — exerce funções de empregado de mesa numa empresa de restauração); desinteresse pelo cumprimento das obrigações e objectivos que lhe forem consignados por saber que a curto prazo terminará o seu contrato. Estes são os mais evidentes. Outros haverá.
O voluntariado facilitou o ingresso de mulheres na função militar. Essa saudável abertura constitucional gerou uma perversão no sistema. Realmente, a mulher militar não pode e não deve abdicar da possibilidade de ser mãe. Todavia, a gravidez, o parto e o pós-parto são situações totalmente aberrantes no conceito de vida castrense. Aberrantes, porque obrigam à concessão de regalias e vantagens que se reflectem no desempenho da missão. Se o serviço militar fosse obrigatório para os jovens do sexo masculino e voluntário para os do sexo feminino, poder-se-iam impor regras aplicáveis a estes de modo a que situações consideradas marginais ao desempenho da actividade castrense implicassem na imediata passagem à disponibilidade, não interferindo com o serviço rotineiro nem com o de campanha. Ao contrário, na situação de serviço militar apoiado no exclusivo contrato de voluntários não tem cabimento qualquer forma de descriminação.
O sistema de conscrição, para além de constituir um dever e um direito — indeclinável, porque cabe a todo o cidadão do sexo masculino defender a Pátria como obrigação, mas também como regalia que lhe consolida o sentimento de pertença a um grupo nacional — pode servir como regulador do desemprego, amortecendo a falta de oferta de trabalho no mercado, em momentos de crise, com a simples medida de aumento do tempo de serviço nas fileiras. Na realidade, os gastos do Estado não se elevam significativamente por manter no activo, por mais meses, uns quantos milhares de jovens até se encontrarem soluções que permitam libertar contingentes preparados para enfrentar a procura labor civil. Não fazendo a apologia da guerra colonial, verifico que a taxa de desemprego durante treze anos teve sempre tendência a reduzir por via dos elevados números de jovens empenhados no serviço militar. Como é evidente, não estou a defender uma estadia nas fileiras por uns ridículos quatro meses! Isso era dinheiro gasto sem proveito de qualquer espécie. Tudo o que for inferior a dezoito meses constitui um prejuízo para o Estado e até para o conscrito.
A História Militar de Portugal está cheia de exemplos de completo desinteresse pela actividade militar e defesa... Depois, nos momentos de grande aflição, teve de se socorrer de muito improviso e da subordinação ao espírito organizativo de generais estrangeiros. Esta cultura antimilitarista nacional, em democracia, deveria ser combatida pelos Governos, mas, ao invés, é por eles facilitada. Trata-se de uma perversão de mentalidades assente na «necessidade» que os políticos portugueses demonstram de não prestigiarem as Forças Armadas. Ora, tal facto resulta do esquecimento de que a imagem nacional se projecta no exterior através de duas actividades profissionais: a dos diplomatas e a dos militares. Aos primeiros cabe a representação por meios pacíficos e aos segundos por meios bélicos. Não é apostando na prestação de um mau serviço militar que os políticos portugueses beneficiam a Nação!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 14:14


10 comentários

De Carlos Camoesas a 12.04.2006 às 20:41

"O ministro da Defesa, Luís Amado, alertou ontem para a existência de um “problema de sustentabilidade” do modelo de profissionalização das Forças Armadas, apontando a “necessidade urgente” de o mundo militar se abrir e promover a sua imagem."
Descartou-se da sua culpa e incompetência do governo que arrazou a dignidade dos militares. Que fez com que até os militares do Q.P. quizessem saír...
É vergonhoso que o tenha dito frente a uma plateia, na primeira fila da qual estavam os 4 "chefes" militares...Boa jogada do senhor ministro, passou a palavra a uma plateia de surdos-mudos na primeira fila. Não falam porque o Sr ministro não os deixa e estes não ouvem porque são muito altivos...Passou a culpa para eles e eles casaram com a sua noiva. Divórcio? Nãaa !
Mais um sapo engolido! Estes "chefes" tem um "ganda" estômago. Em trinta e dois anos, devem ter consumido muita Alka-Seltzer...

De Carlos Camoesas a 12.04.2006 às 22:04

Amigo Fraga,
Desculpe, eu sei que não gosta que se "bata" nas "chefias" mas, até o termo "chefias" é mais próprio da classe operária que de Generais e outros que tais. Também sei que na hierarquia militar "só as chefias falam pelos subordinados" logo, desses quatro apenas fica o reconduzido, os outros são subalternos...
Não sou ninguém para exigir que Generais se portem como tal ( honrando a revolução do 25 de Abril de 1974) e não sejam cobardes, mas, qualquer cidadão tem o direito de lhes exigir que tenham no mínimo VERGONHA!

De Fernando Vouga a 13.04.2006 às 21:33

O recrutamento é o calcanhar de aquiles das Forças Armadas profissionais. Tal como um produto de consumo, depende das leis da oferta e da procura... E estas nem sempre estão conformes com os superiores interesses da Nação. Quem nos acode?

De Anónimo a 21.04.2006 às 18:55

A quantidade de licenciados em situação de desemprego, também pode ser um factor de futuramente termos oficiais menos motivados para o serviço militar.
A falta de um serviço militar obrigatório,foi muito pernicioso para o país
J.Lucena Pinto Fuzileiro Especial 476/68

De Anónimo a 12.05.2006 às 19:26

Não constitui novidade?! Acaso constituirá novidade o facto de o tempo máximo resultante da prestação de serviço militar nos regimes de voluntariado e de contrato ser, actualmente e nos termos da Lei, de 7 anos?
Quanto aos resultados do estudo sociológico, lamento que tenha faltado à sua apresentação no IDN, no decurso do colóquio "Os Jovens e as Forças Armadas"...

De Luís Alves de Fraga a 12.05.2006 às 22:09

Sete ou oito, grande diferença! A diferença entre olhar com amplitude e a de mirar com miopia, escondido atrás de um conveniente anonimato.
Um ano!... Que relevância...!!!!

De Sargento a 24.05.2006 às 16:12

Muito bem quanto quanto aquilo que é referido neste comentário. Contudo não estou de acordo quanto a alguns pontos, respeito a opinião dos outros. Contudo levanta-se uma outra questão, que é feito daquela quadro que é considerado a "coluna vertebral" do Exército, os Sargentos? A que "ala" os vamos associar? Aos oficiais da Academia, que são militares por vocação, ou mais uma vez vamos pô-los " no saco do resto da tropa? É que os Oficiais quando falam, referem-se a eles (oficiais) e ao resto da tropa, como se os outros estivessem lá apenas para os servir. Convêm não esquecer qual é o papel do Sargento no Exército, que são tão militares quanto os outros e que a motivação é igual aos outros militares também. São tão inteligentes quantos os outros e não é por os Oficiais serem licenciados que são mais capazes que os outros. Vamos pensar no assunto e falar sobre ele.
Até breve

De João Costa a 16.05.2010 às 14:50

Ora viva!!

Sou aluno do FCP na Força Aérea e estou na especialidade de MMA. Orgulho-me de ter ingressado na FAP por vocação e gosto (quer pela vida militar, quer pela aeronáutica). Concorri também à Academia mas, por mas por limitações na acuidade visual nunca cheguei a ser seriado. Faço intenções de completar a minha licenciatura e de ingressar no QP. Sabendo que não pertenço à maioria, pois há uma grande aversão à vida militar nos jovens da minha geração, sei também não sou o único!
Quando se escreve que “só escolhem optar pelo serviço militar voluntário os jovens com menores aptidões intelectuais e, eventualmente, aqueles que possam rondar situações de marginalidade social.” parece-me uma generalização espinhosa e injusta em muitos casos, pois para muitos de nós a “chance” de seguir uma (possível) carreira militar, seja como Sargento ou seja como Oficial. Sabendo, claro está, que há especialidades mais exigentes que outras nas forças armadas. Em suma, continuarei a defender a importância do serviço militar (SM) e das Forças Armadas, pois para mim o SM é mais do que um ordenado é uma forma de vida!

Respeitosamente

De João Costa a 16.05.2010 às 14:53

Onde está FCP será CFP naturalmente, o corrector ortográfico fez das suas.

De João Ribeiro a 16.10.2012 às 13:52

Saudações,

Chamo-me João Ribeiro e tenho 31 anos. Não cumpri o serviço militar obrigatório porque na altura estudava na universidade e passei à reserva territorial. Gostaria de o fazer agora ou tirar algum curso militar onde possa contribuir com a minha parte na aprendizagem para a defesa da nossa nação.
Penso que saber defender o nosso país pelas armas é uma maneira grandiosa de crescimento pessoal mas simplesmente não consigo descobrir onde o possa fazer. Temo que simplesmente não haja onde o fazer. Deixo aqui a sugestão da criação de cursos, pós-laborais ou de voluntários ou ainda para ocupação de tempo para desempregados onde se podesse tirar um curso militar equivalente ao serviço militar. Todos ficaríamos a ganhar.

Muito obrigado.


João Manuel Morgado Da Costa Ribeiro

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2006

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30