Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fio de Prumo



Sábado, 18.03.06

As nacionalizações de 1975

                                              

 

Há dias o comentador económico Francisco Sarsfield Cabral, no Diário de Notícias, abordou o problema das nacionalizações de empresas, em Portugal, na sequência do «11 de Março de 1975». Mais uma vez, trouxe à baila, como justificação da atitude adoptada pelo Governo da época, o papão do comunismo e do avanço para a socialização imaginada pelo comité central do Partido Comunista Português. Na minha opinião, é um argumento estafado, que ganhou foros de cidadania na História de Portugal. Vejamos dos motivos da minha discordância.

Em primeiro lugar, temos de ter consciência que a estrutura económica nacional, na época, assentava no poder de meia dúzia de grupos financeiros, dominando o mercado interno. Esses potentados, ainda que, alguns, contestando a rigidez imposta pelo Estado Novo, por lhes limitar os desejos de expansão, viam na democracia nascente um adversário de peso, porque iria permitir a livre contestação dos salários pagos, dos horários e dos abusos de toda a natureza que eram praticados contra os trabalhadores. Deste modo, a democracia plena e absoluta, conforme a imaginaram os ideólogos do Movimento das Forças Armadas (MFA) estava comprometida e ferida gravemente. Os grandes interesses financeiros tudo fariam para animar partidos políticos virtualmente democratas que retardassem, ou mesmo impedissem, a democratização. Um só processo parecia viável para garantir o alcance dos objectivos mais puros e mais sinceros dos militares de Abril: «quebrar» a espinha dorsal de um sistema poderoso e obstaculizante. Foi esse o motivo pelo qual desde o extinto partido MDP/CDE ao PPD, passando pelo PS e, naturalmente, pelo PCP todos estiveram de acordo com a nacionalização da banca e das companhias de seguro, facto que, em sim, arrastou à nacionalização de muitas empresas onde Bancos e Seguradoras tinham posição maioritária ou mesmo maioria absoluta do capital. Sem qualquer dúvida, neste ponto havia concordância entre o programa do PCP e as forças democráticas, mas daí a dizer que o projecto era exclusivo dos comunistas vai uma imensa distância.

Quem estudar a História de Portugal com a capacidade para compreender imparcialmente os diversos períodos de crise grave que nela tiveram relevo, verifica como, em vários momentos, as forças representativas do progresso se viram forçadas a «nacionalizar» o poder material das forças reaccionárias. Isso aconteceu — e nós agradecemos que tenha ocorrido — em 1383-1385, quando D. João, Mestre da Ordem Militar de Avis, Defensor e Regedor do reino de Portugal, mandou que se confiscassem os bens dos nobres que se haviam bandeado com o rei D. Juan i de Castela, pretendente ao trono; voltou a ocorrer quando, em 1834, finalmente saiu vitorioso o regime liberal e decretou a expulsão das ordens religiosas e o confisco de todos os seus bens, já que, então, eram os frades aqueles que mais combatiam as novas ideias e contra elas mobilizavam a opinião ignara das populações rurais e até urbanas; aconteceu, de novo, embora em menor escala, quando a República se implantou entre nós e outra vez se teve de atacar a Igreja por ela, repetindo as práticas obscurantistas do passado, ser o pilar reactivo onde se escoravam os projectos de derrube do novel regime. Como se vê, sempre teve de ser assim!

É pena que, em muitos casos, a ignorância da História dite tomadas de posição pouco esclarecidas, mas é bem pior quando, conhecedores de História pátria, por simples oposição e receio de uma ideologia já hoje a viver o estertor de uma morte anunciada desde a queda do mundo comunista, exploram sentimentos sem sentido e os deixam abrir caminho na imaginação de quem não viveu ou não teve consciência plena dos acontecimentos de há trinta e um anos, em Portugal.

Sarsfield Cabral é um comentarista bom demais para que tenha de recorrer a argumentos tão pequeninos e insignificantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 21:45


3 comentários

De carlocos a 23.03.2006 às 21:24

Nesse processo histórico caberá ou em que lugar ficará o relato “De Conacry ao M.L.D.P.” de Alpoim Calvão.

De Azoriana a 01.04.2006 às 02:27

Só para desejar um bom fim-de-semana. Neste tenho motivos para festejar.
Um abraço

De HV a 02.06.2010 às 18:16

Tretas! Não é preciso ser-se do PCP para ser-se um esquerdalho que aprecia nacionalizações. Deu exemplos históricos em tempos diferentes, mas esqueceu-se de exemplos históricos contemporâneos noutros espaços. A Espanha, também saiu no mesmo ano de uma ditadura fascista, mas não se decidiu por nacionalizações. Até ficou bastante à direita, levando um rei (!) ao poder. Gostava de imaginar o que teria sido sequer considerar algo semelhante no Portugal da altura! E hoje em dia, são monstros não-nacionalizados como o Santander e Telefónica que tomam posições no mundo e em Portugal, e não ao contrário. E têm um salário mínimo que é o dobro do Português. E em termos de estabilidade política, tiveram meia dúzia de governos desde 1975, enquanto Portugal já vai a caminho das duas dúzias...

Portugal era em 1975, e ainda é, um país à esquerda. E isso foi e é um inconveniente. O socialismo radical está moribundo por alguma razão; e o socialismo moderado europeu faz estragos mais moderados, mas são estragos na mesma! Não matam, mas moem. E já cansam! Não existe em Portugal um partido a sério e à direita, e esse é o mal de Portugal. Partidos como os que existem na Republica Checa e que acabaram de ganhar a maioria parlamentar no seu país, e que é um dos países mais evoluídos da Europa actual... apesar de em 1975 a ideia de libertação do punho de ferro soviético ainda fosse para eles não mais que uma fantasia ainda longe.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031