Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fio de Prumo



Terça-feira, 07.05.13

A cegueira absurda

 

O Governo anuncia cortes de milhares de postos de trabalho na função pública. Exactamente assim: cortes nos efectivos! Não se especificam os sectores da Administração Pública onde se vão cortar postos de trabalho… É qualquer coisa como atirar uma granada para o meio de uma multidão e dizer que vão morrer umas centenas de pessoas, mas não se sabe quem e muito menos quem vai só ficar ferido! Isto não é governar! Isto é praticar genocídio! Isto é dar lugar ao crime em vez de permitir a boa gestão! Isto é desconsiderar os seres humanos em nome do orçamento, da finança, da dívida, do raio que os parta!

 

Se há que reduzir as despesas públicas, então, um Governo digno desse nome traçaria políticas que apontariam à dispensa de trabalhadores previamente seleccionados por ministérios e, dentro destes, por sectores funcionais. Assim feitos, os cortes obedeceriam a um plano, a uma orientação, a uma mudança de objectivos. Todos saberíamos que, por exemplo, se iria reduzir o esforço no ensino básico, no ensino secundário e no ensino superior, no Ministério das Finanças, através de uma redistribuição geográfica das respectivas repartições de tesouraria, nos Negócios Estrangeiros, devido ao encerramento de representações diplomáticas em diversos países do mundo, no Ministério da Justiça, em consequência da transferência e desactivação de tribunais, etc. Assim, um corte na quantidade de trabalhadores correspondia a uma análise ponderada das necessidades do aparelho do Estado, já que este, se deixado entregue a si mesmo, tende para o aumento exagerado de departamentos – é um facto sabido e estudado há mais de cinquenta anos.

 

Não foi nada disto que o Governo actual fez ou vai fazer!

Estabeleceu um número em função do gasto financeiro e, depois, logo se verá onde e como se vão mandar para o desemprego os milhares de trabalhadores dispensados. Isso é o que menos interessa! E, para cúmulo da prova do desnorte, até se avança com mais um pormenor bem elucidativo: vai aumentar-se a carga de trabalho para quarenta horas semanais!

Senhores, isto é impróprio de alunos do primeiro ano de um qualquer curso de gestão de recursos humanos! Isto é uma cavalidade! É um erro crasso de bradar aos céus! Não se aumentam as horas de trabalho só porque se reduz o número de trabalhadores! Não há, nem nunca houve, relação directa entre uma coisa e outra! Haverá serviços onde se justifica o acréscimo de horas de trabalho, tal como existirão outros onde, se calhar, ocorre exactamente o contrário! Só a vesgueira pode justificar uma decisão destas! Só a incompetência é capaz de tomar tais medidas. E se assim falo é porque tenho larga experiência de situações semelhantes em escala bem menor.

Ora, é exactamente falta de experiência de trabalho que os governantes, de um modo geral, têm. Eles são licenciados em Economia, mas nunca exerceram funções de “tarimba” onde se aprende com os erros, são professores, mas só se limitaram a leccionar e do mundo fora das universidades nada sabem, são licenciados em Direito que, no máximo, exercem advocacia e só desse ramo percebem alguma coisa; eles não fizeram cursos para gerir a coisa pública e de Ciência Política, de História, de Estratégia, de Relações Internacionais, de Sociologia, de Gestão pouco ou nada conhecem, para além dos rudimentos que qualquer estudante do ensino secundário domina. É que para isto de ser político não basta estar filiado num partido ou ter “cursado” a escolinha das “Jotas”! Eu, não sendo monárquico, reconheço a enorme preocupação que as Monarquias constitucionais, desde a segunda metade do século XIX, colocaram na educação dos príncipes herdeiros dos tronos: tinham de saber como se relacionar com o mundo da política de forma a exercerem a sua influência equilibradora junto dos governantes viessem eles de onde viessem e fossem eles das mais variadas cores políticas; vivendo em palácios, tinham de conhecer, pelo menos em teoria, os meandros dos tugúrios onde habitavam os mais humildes dos seus súbditos, pois só assim podiam dialogar com os responsáveis da governação. Ora, tomaram os nossos ministros terem metade da preparação política de alguns dos monarcas desta velha Europa! Se a tivessem, tinham mais capacidade para não fazer as asneiras que nos apresentam, tomando-nos por papalvos, por brutos e ignaros como eles são.

 

Temos de saber escolher quem queremos para nos governar e isso também exige cultura da nossa parte. Não podemos optar por este ou aquele partido político como quem opta por um clube de futebol. Está em causa e em jogo a nossa vida e o nosso bem-estar. Saibamos, pois, escolher, porque o voto não vincula, já que é um instrumento de selecção de momento… em qualquer nova eleição pode alterar-se a opção feita se dela não foram dignos os que antes escolhemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Luís Alves de Fraga às 20:51



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031